Acompanhe:

Após pedir recuperação judicial, ações da construtora Rossi (RSID3) afundam 9%

Ação da construtora está próxima de suas mínimas. Valor do papel caiu 99,95% desde 2007

Modo escuro

Continua após a publicidade
Empreendimento da Rossi Residencial: empresa está passando por dificuldades financeiras desde 2017 (Rossi Residencial/Divulgação)

Empreendimento da Rossi Residencial: empresa está passando por dificuldades financeiras desde 2017 (Rossi Residencial/Divulgação)

M
Marília Almeida

Publicado em 20 de setembro de 2022 às, 12h17.

Última atualização em 20 de setembro de 2022 às, 12h23.

Perto de suas mÍnimas históricas, o valor de R$ 2,61, as ações da Rossi (RSID3) chegaram a cair 17% nesta terça-feira, 20, após a construtora anunciar que pediu recuperação judicial, em fato relevante divulgado nesta segunda-feira, 19. Às 12h20, contudo, o papel havia recuperado parte das perdas, e registrava desvalorização de 9,8%.

O valor do papel caiu 99,95% desde 2007, excluindo dividendos. Mas, de 2000 a 2007 chegou a render 1.000%. Sua mínima foi atingida em junho, quando a ação chegou a custar R$ 1,81.

O grupo, composto por 313 sociedades, ajuizou ontem o pedido de recuperação judicial na 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais da Comarca da Capital do Estado de São Paulo.

Segundo a construtora, o pedido de recuperação judicial "representa uma etapa fundamental no processo de equacionamento econômico-financeira do grupo", iniciado em dezembro de 2017, com a
reestruturação de dívidas corporativas contratadas junto a instituições financeiras.

Gostaria de aprender a investir em fundos imobiliários? Acesse aqui o curso gratuito da EXAME Academy em parceria com a B3

Para a administração, a recuperação é o instrumento adequado para viabilizar uma "solução global e definitiva" para a readequação do fluxo de caixa do grupo, a manutenção de sua normalidade operacional e a retomada da expansão de suas atividades.

A construtora foi constituída na década de 80 com foco na construção de imóveis de médio e alto padrão na região metropolitana de São Paulo. A partir da década de 90, expandiu suas operações para o interior do Estado, bem como para o Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. A expansão culminou, em 1997, com a abertura de capital da Rossi, que captou aproximadamente US$ 10 milhões com a emissão de ações na B3 e ADRs na Bolsa de Nova York.

A empresa tem 35 mil colaboradores e foi responsável pela entrega de mais de 750 empreendimentos, espalhados por 17 estados. Atualmente, o grupo administra um landbank composto por aproximadamente 19 terrenos, com um valor geral de vendas estimado em R$ 1,9 bilhão e comercializa a venda de mais de 400 unidades imobiliárias de empreendimentos já concluídos.

Impacto de constantes crises

Como razões para a crise financeira na qual se encontra, a construtora cita que os últimos anos foram marcados por forte recessão na economia brasileira, refletida no aumento da taxa básica de juros, dos índices de inflação e da estagnação econômica, que geraram impactos no mercado imobiliário, tais como aumento da taxa de inadimplência e crescimento do número de pedidos de distratos

Somado a isso, aponta que a pandemia de Covid-19 trouxe consequências para a renda dos brasileiros e provocou a diminuição da aquisição de unidades imobiliárias, seja em razão do aumento do número de pedidos de distratos, causando descompassos na liquidez e fluxo de caixa da companhia.

Entre 2013 e 2021, o volume de distratos, que representava 29,4% das vendas brutas no primeiro ano da série, superou o volume vendido no ano de 2021 em 35,3%. Depois de seu plano de renegociação de dívidas, seu endividamento com a Caixa Econômica Federal, que, em 2017, se aproximava de R$ 1,66 bilhão. foi reduzido em mais de 90%. Contudo, a solução encontrada abalou o risco de crédito da construtora, que passou a ter dificuldade em acessar novas linhas de crédito para financiar novos empreendimentos imobiliários perante as instituições financeiras.

O patrimônio do Grupo Rossi retido, tanto por meio de depósitos elisivos quanto por meio de bloqueios de seu patrimônio, é de cerca de R$ 45,4 milhões e tem mais de R$ 29,1 milhões em ativos imobiliários indisponíveis em razão de ações obtida por credores.

A construtora que recentemente pediu recuperação judicial foi a PDG. Encerrada em 14 de outubro do ano passado, a companhia conseguiu reestruturar um passivo de mais de R$ 5,3 bilhões frente a 22 mil credores. A Viver também encerrou sua recuperação judicial no ano passado.

Últimas Notícias

Ver mais
Log CP anuncia venda de condomínios logísticos por R$ 509 milhões para fundo de investimento
Um conteúdo Bússola

Log CP anuncia venda de condomínios logísticos por R$ 509 milhões para fundo de investimento

Há um dia

Novo prédio em Balneário Camboriú será o maior edifício residencial do mundo, com 509m de altura
seloMercado imobiliário

Novo prédio em Balneário Camboriú será o maior edifício residencial do mundo, com 509m de altura

Há 2 dias

Vendas de novas moradias na China sofrem queda anual de 27,6% no 1T24
Economia

Vendas de novas moradias na China sofrem queda anual de 27,6% no 1T24

Há 4 dias

Espanha pretende descartar visto especial para compradores de imóveis de fora da UE
Mundo

Espanha pretende descartar visto especial para compradores de imóveis de fora da UE

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais