Acompanhe:

Qual é o preço da disputa entre bancos? 22% a menos na bolsa

Cálculo do Bank of America Merrill Lynch avalia os impactos do novo cenário

Modo escuro

Continua após a publicidade

	O Banco do Brasil foi o mais recente a cortar tarifas
 (Divulgacao)

O Banco do Brasil foi o mais recente a cortar tarifas (Divulgacao)

G
Gustavo Kahil

Publicado em 10 de outubro de 2012 às, 06h12.

São Paulo – O novo cenário de competição entre os bancos brasileiros tem feito com que o setor negocie na bolsa a um grande desconto em relação ao nível médio histórico, calcula o banco Bank of America Merrill Lynch. De acordo com um relatório publicado nesta semana, os analistas apontam que o preço atual corresponde a 8,2 vezes o esperado para o lucro por ação em 2013. O nível é 22% menor do que o visto nos últimos anos.

“Acreditamos que as dinâmicas competitivas devem manter a pressão sobre os grandes banco enquanto os estatais continuem a buscar participação de mercado”, avaliam Jorg Friedemann, Marcus Fadul e Jose Barria. A análise foi publicada após um encontro com executivos da Caixa Econômica Federal (CEF), que estaria buscando ocupar a 3ª posição entre os maiores bancos em concessões de crédito do país.

“A gestão da CEF parece continuar a se diferenciar da competição ao reduzir as taxas significativamente. Para o setor, isso implica em pressões adicionais para as margens, que assumimos em nossos modelos como uma compressão entre 20 a 30 pontos-base na margem financeira líquida para os grandes bancos em 2013”, ressaltam os analistas, que preferem as ações do Banrisul (BRSR6) e do Itaú (ITUB3; ITUB4).

Banco do Brasil

Assumindo estar mais pessimista que o consenso do mercado, Friedemann, do Merril Lynch, reiterou a recomendação de underperform (desempenho inferior à média do mercado) para as ações do Banco do Brasil (BBAS3) e o preço-alvo de 24 reais por ação após a última rodada de cortes de tarifas. Segundo ele, a regulação no setor vai continuar alta e que o próximo foco, após a redução dos spreads, será no corte do lucro gerado com tarifas.

A analista do setor de bancos da Itaú Corretora também simulou o impacto da nova redução no lucro do Banco do Brasil. Segundo Regina Longo Sanchez, a receita do banco com serviços reduziria entre 200 e 400 milhões de reais por ano. O retorno sobre o patrimônio líquido (ROAE) também cairia entre 0,2 e 0,4 pontos percentuais, se não forem considerados possíveis ganhos de volume como consequência das tarifas mais baratas. 

Últimas Notícias

Ver mais
Depois do primeiro ano com Extrafarma, Pague Menos acelera conversão de lojas e ganhos de sinergia
Exame IN

Depois do primeiro ano com Extrafarma, Pague Menos acelera conversão de lojas e ganhos de sinergia

Há 4 horas

“Não temos expectativas de prorrogar o Desenrola”, diz secretária-adjunta do Ministério da Fazenda
seloMinhas Finanças

“Não temos expectativas de prorrogar o Desenrola”, diz secretária-adjunta do Ministério da Fazenda

Há 7 horas

Sob nova direção, The Body Shop tem futuro incerto
Exame IN

Sob nova direção, The Body Shop tem futuro incerto

Há 8 horas

Bolsas da Europa fecham em queda, com expectativa sobre reunião do BCE
seloMercados

Bolsas da Europa fecham em queda, com expectativa sobre reunião do BCE

Há 9 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais