Acompanhe:

Powell "foi fraco" e Fed deve retomar alta de juros nos EUA, avalia Affonso Celso Pastore

O ex-presidente do Banco Central (BC) disse ainda acreditar que o Fed retomará a sua política de aumento de juro diante do aumento da inflação e de um mercado de trabalho que permanece aquecido

Modo escuro

Continua após a publicidade
Pastore: o economista chamou o presidente do Fed de fraco (Marcos Oliveira/Agência Senado/Getty Images)

Pastore: o economista chamou o presidente do Fed de fraco (Marcos Oliveira/Agência Senado/Getty Images)

O ex-presidente do Banco Central (BC), sócio da AC Pastore & Associados, Affonso Celso Pastore, admitiu durante o IX Seminário Anual de Política Monetária, promovido pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) que reagiu "muito mal" à paralisação do ciclo de aumentos da taxa de juro norte-americana pelo Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos).

O tamanho da indignação demonstrada por Pastore à decisão do Fed de interromper o ciclo de alta dos Fed Funds pôde ser medida pela intensidade da crítica que ele dirigiu ao presidente da autoridade monetária norte-americana, Jerome Powell, a quem chamou de "fraco".

"O Powell foi fraco na condução do Fed. Se tivesse o Paul Volcker, na presidência do Fed, o juro teria subido", disse Pastore ao se referir ao ex-presidente do Fed, morto aos 92 anos de idade em dezembro de 2019. Volcker se notabilizou por ter elevado fortemente os juros americanos após o segundo choque do petróleo, em 1979, o que levou países latino-americanos, como Brasil e México, à crise da dívida e consequentemente à moratória.

Pastore disse ainda acreditar que o Fed retomará a sua política de aumento de juro diante do aumento da inflação e de um mercado de trabalho que permanece aquecido.

Dificuldade de compreender a razão de o fed não ter sinalizado duas altas

Ainda sobre a política monetária norte-americana, o chefe do Centro de Estudos Monetário do FGV/Ibre, José Júlio Senna, também disse ter dificuldades para compreender a razão de o Fed não ter sinalizado com mais ênfase mais duas altas de juro pela frente. Por conta de uma inflação alta para os padrões norte-americanos e por conta de um mercado de trabalho aquecido, em pleno emprego, Senna disse achar que mais duas altas na taxa de juro nos Estados Unidos seriam razoáveis.

Para Senna, o Fed não terá como escapar de uma retomada das altas de seu juro básico ainda que isso leve a economia dos EUA à recessão, com impactos na economia global. "Acho difícil o Fed trazer inflação para meta sem causar recessão. Ele vai retomar altas de juro e o efeito recessivo aparecerá", disse Senna.

O diretor do BTG Pactual, Eduardo Loyo, concordou com José Júlio Senna e completou que "a ideia de que o Fed reduzirá inflação de forma indolor é uma coisa mítica". Segundo ele, é preciso sacrifício sim e o Federal Reserve terá que retomar alta de juro.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Incêndio no Texas é tão grande que pode ser visto do espaço
Mundo

Incêndio no Texas é tão grande que pode ser visto do espaço

Há um dia

Picchetti: Brasil está sendo encarado como exemplo na inclusão financeira
Economia

Picchetti: Brasil está sendo encarado como exemplo na inclusão financeira

Há um dia

Câmara dos Representantes dos EUA aprova lei de gasto temporário para evitar shutdown
Mundo

Câmara dos Representantes dos EUA aprova lei de gasto temporário para evitar shutdown

Há um dia

PCE: índice de inflação nos EUA mantém queda e vai a 2,4% em janeiro
Economia

PCE: índice de inflação nos EUA mantém queda e vai a 2,4% em janeiro

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais