Acompanhe:

Por que os leilões do BC não seguraram a alta do dólar?

Em novembro, real só não perdeu das moedas da Venezuela, Chile e Zâmbia em desvalorização para a moeda americana, segundo a Austin Rating

Modo escuro

Continua após a publicidade
Até quarta (27), o real recuou 6% frente à moeda dos Estados Unidos no mês – queda bem mais expressiva pares emergentes como México, Turquia e Argentina. (Gary Cameron/Reuters)

Até quarta (27), o real recuou 6% frente à moeda dos Estados Unidos no mês – queda bem mais expressiva pares emergentes como México, Turquia e Argentina. (Gary Cameron/Reuters)

T
Tais Laporta

Publicado em 28 de novembro de 2019 às, 07h00.

Última atualização em 28 de novembro de 2019 às, 12h46.

Nos últimos dois dias, o Banco Central promoveu três leilões atípicos de dólares no mercado à vista para tentar conter a moeda americana, após ela se aproximar de 4,28 reais na sessão anterior. As intervenções ajudaram a segurar a cotação, mas o efeito foi limitado. Nas três ocasiões, a moeda voltou a subir e, nesta quarta-feira (27), quebrou seu terceiro recorde seguido de fechamento, em alta de 0,44%, em 4,2586 reais.

Os dois leilões extraordinários na terça-feira (26) e outro na quarta tiveram um efeito pontual – em linha com as declarações do presidente do BC, Roberto Campos Neto, que reforçou que o câmbio é flutuante e o órgão age apenas quando há problemas de liquidez ou para atenuar movimentos fora do padrão.

Com reservas internacionais da ordem de 370 bilhões de dólares, o BC tem lenha de sobra para queimar se quiser injetar dólar no mercado interno, com o objetivo de enfraquecer a moeda. Mas os últimos leilões mostraram um baixo interesse do mercado por dólares no mercado à vista.

Para o operador da H. Commcor Cleber Alessie, a demanda pelo dólar à vista não teve um efeito tão impactante porque o objetivo de quem especula com o câmbio, geralmente, é manter os recursos no Brasil e buscar hedge. “Tem uma demanda forte por derivativos [contratos futuros e swaps] neste momento. O investidor quer montar posição e se proteger de uma valorização maior”, diz.

A decisão do BC de ampliar a oferta de dólares é para aparar os excessos, explicou à Reuters o chefe de renda variável da Vero Investimentos, Fábio Galdino, acrescentando que o fluxo de saída de final de ano é mais acentuado.

Real entre as moedas que mais perderam valor em novembro

Em novembro, o real só ganhou do bolivar venezuelano, do peso chileno e do qhacha de Zâmbia em desvalorização para o dólar, segundo um levantamento de Alex Agostini, economista-chefe da Austin Rating, com uma cesta de 121 moedas . Até esta quarta-feira (27), o real recuou 6% frente à moeda dos Estados Unidos no mês – uma queda bem mais expressiva que pares emergentes como México, Turquia e Argentina.

Após a escalada desta semana, estrategistas do Credit Suisse subiram sua projeção para o dólar a uma faixa entre 4,18 reais e 4,35 reais (ante 4,10 reais e 4,25 reais). O banco citou mensagens "confusas" de autoridades sobre a política cambial e a tendência do mercado em reagir mal a estas mensagens.

Segundo o banco, outro aspecto que deixa os estrategistas cautelosos sobre um dólar mais baixo a partir daqui é que, embora a agenda de reformas seja "indubitavelmente construtiva", a confiança na capacidade de entrega do governo está intimamente ligada à figura de ministro da Economia, Paulo Guedes.

"Não temos motivos para duvidar da determinação e do compromisso do ministro da Economia, mas suspeitamos também que a implacável vontade do mercado de vender dólar depois de saltos da moeda... pode começar a vacilar se os mercados começarem a questionar o papel do ministro no governo ou se ele pode se tornar objeto de críticas e/ou ataques constantes de membros da administração e de proeminentes integrantes do Congresso", disseram estrategistas do banco suíço em relatório com data desta quarta-feira.

Os profissionais do banco também avaliaram que a mensagem do Banco Central ainda não é "suficientemente clara" para sugerir que pode intervir sob qualquer circunstância.

BC começou a vender dólares à vista em agosto

Em agosto, o BC anunciou que passaria a vender dólares no mercado à vista pela primeira vez em uma década, quando a moeda ultrapassou os 4 reais. A moeda foi vendida de forma simultânea com a tradicional rolagem de contratos de swap cambial reverso. O objetivo é irrigar o mercado interno com dólares e, assim, conter sua valorização frente ao real. 

O Banco Central vendeu nesta quarta-feira 3 mil contratos de swap cambial reverso e até 150 milhões de dólares em moeda à vista, de oferta de até 15.700 e 785 milhões, respectivamente. Adicionalmente, vendeu 12.700 contratos de swap cambial tradicional em rolagem do vencimento janeiro 2020.

Por que o dólar disparou  recentemente?

Ao cravar que é melhor o Brasil se acostumar com um dólar alto, o ministro da Economia, Paulo Guedes, talvez não imaginasse que a declaração levaria o câmbio a um estresse ainda maior. O Banco Central tentou acalmar o mercado após a moeda quebrar um novo recorde, atingindo o pico nominal de quase 4,28 reais nesta terça-feira (26). As intervenções no mercado à vista ajudaram, mas só como um paliativo.

A recente escalada do dólar desafia a tese de que a aprovação da reforma da Previdência e a agenda liberal do governo seriam as condições que faltavam para a moeda americana alcançar seu valor justo, fixado abaixo de 4 reais. 

Projeções mais otimistas chegaram a ver o dólar entre R$ 3,50 e R$ 3,80 ao longo do ano, tomando como base este cenário construtivo. Aconteceu o contrário. Agora, economistas e agentes do mercado atribuem o enfraquecimento do real a um coquetel de fatores que não estavam na conta, como a queda da Selic, uma possível percepção ruim sobre o Brasil e fatores internacionais.

Últimas Notícias

Ver mais
Dólar hoje: fechou em queda após inflação dos EUA
seloMercados

Dólar hoje: fechou em queda após inflação dos EUA

Há um dia

Dólar hoje: fechou em alta em dia de Índice de Preços de Gastos com Consumo (PCE) dos EUA
seloMercados

Dólar hoje: fechou em alta em dia de Índice de Preços de Gastos com Consumo (PCE) dos EUA

Há 2 dias

Fed diz que moedas digitais de outros países podem causar "erosão" do dólar
Future of Money

Fed diz que moedas digitais de outros países podem causar "erosão" do dólar

Há 3 dias

Dólar hoje: fechou em alta nesta quarta-feira, 28
seloMercados

Dólar hoje: fechou em alta nesta quarta-feira, 28

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais