Invest

Petróleo sobe e tem maior nível em 4 meses, com alta em projeção de demanda

Commodity mantinha a valorização mesmo diante do fortalecimento do dólar, após a inflação acima do esperado nos EUA

Petróleo: estoques de gasolina caíram 5,662 milhões de barris (Anton Petrus/Getty Images)

Petróleo: estoques de gasolina caíram 5,662 milhões de barris (Anton Petrus/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 14 de março de 2024 às 16h59.

Os preços do petróleo voltaram a registrar forte alta nesta quinta-feira, alcançando os níveis mais elevados em cerca de quatro meses, após a Agência Internacional de Energia (AIE) aumentar as projeções de demanda global e cortar a estimativa de oferta.

O contrato do WTI chegou a superar US$ 81 o barril. Os prognósticos se somaram à apreensão com as tensões geopolíticas, em meio a ataques da Ucrânia ao território russo.

A commodity mantinha a valorização mesmo diante do fortalecimento do dólar, após a inflação acima do esperado no atacado nos Estados Unidos respaldar a narrativa de condução prudente da política monetária pelo Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano).

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para abril fechou em alta de 1,93% (US$ 1,54), a US$ 81,26 o barril. O Brent para maio subiu 1,65% (US$ 1,39), a US$ 85,42 o barril. Os dois contratos atingiram nesta quinta máximas em quatro meses após na véspera já terem subido mais de 2%.

Em relatório publicado nesta quinta-feira, a AIE, prevê que a demanda mundial por petróleo aumentará 1,3 milhão de barris por dia (bpd) em 2024. No documento anterior, a estimativa era de avanço de 1,2 milhão de bpd. A AIE cortou ainda sua previsão para a oferta global total de petróleo este ano, de 103,8 milhões de bpd para 102,9 milhões de bpd, diante da expectativa de produção reduzida da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+).

As preocupações do mercado relativamente ao aperto da oferta, a decisão da Opep+ de prolongar as restrições à produção e as incertezas persistentes no Oriente Médio impulsionam as apostas otimistas dos operadores de contratos de petróleo, de acordo com analistas do banco MUFG.

"Os dados de posicionamento mais recentes mostraram que os especuladores aumentaram a posição líquida comprada em petróleo pela quarta semana consecutiva, para as maiores apostas altistas desde a semana que terminou em 24 de outubro de 2023", afirmam analistas do banco em um relatório.

O MUFG espera que os preços do petróleo subam no segundo semestre do ano, com o Brent atingindo uma média de US$ 88 por barril. "O avanço lento mas constante do petróleo este ano ainda tem um longo caminho a percorrer no curto prazo", dizem os analistas.

No front geopolítico, a Ucrânia disparou pelo menos oito mísseis contra a região fronteiriça russa de Belgorod, matando uma pessoa e ferindo seis, disseram autoridades locais nesta quinta. Na véspera, ataques com drones contra a Rússia, atingindo infraestrutura de energia e refinarias de petróleo, impulsionaram a alta dos contratos de petróleo.

Acompanhe tudo sobre:PetróleoIndústria do petróleoFed – Federal Reserve SystemOpep

Mais de Invest

Lucro da Nvidia cresce 628% e atinge US$ 14,88 bi no 1º trimestre fiscal de 2025

O país que superou os EUA em IPOs no 1º tri — e o que isso diz sobre o Brasil

9 Sites para ganhar dinheiro na internet

Como ganhar dinheiro com indicação? 10 apps "Indique e Ganhe"

Mais na Exame