• BVSP 117.669,90 -0,5%
  • USD 5,6926 +0,0000
  • EUR 6,7616 +0,0000
  • ABEV3 15,43 -0,13%
  • BBAS3 29,27 +0,55%
  • BBDC4 25,25 +0,04%
  • BRFS3 23,91 -1,97%
  • BRKM3 43,57 -0,98%
  • BRML3 9,95 +1,95%
  • BTOW3 62,7 -0,85%
  • CSAN3 89,25 -0,45%
  • ELET3 35,45 -1,50%
  • EMBR3 16,02 -0,37%
  • Petróleo 59,31 +0,00%
  • Ouro 1.755,30 +0,00%
  • Prata 25,36 +0,00%
  • Platina 1.209,30 +0,00%

Petróleo opera em baixa, após queda da indústria chinesa

Às 8 horas, o petróleo para outubro caía 0,39%, a US$ 41,16 o barril na Nymex

Londres - Os contratos de petróleo operam em baixa nesta sexta-feira, após um indicador econômico fraco da China. O petróleo nos Estados Unidos estava a caminho de registrar sua oitava semana consecutiva de baixa.

Às 8h (de Brasília), o petróleo para outubro caía 0,39%, a US$ 41,16 o barril na New York Mercantile Exchange (Nymex), enquanto o Brent para outubro recuava 0,84%, a US$ 46,23 o barril na plataforma ICE, em Londres.

Na China, o índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) Caixin da indústria do país caiu de 47,8 em julho para 47,1 em agosto, no dado preliminar.

A desvalorização do yuan neste mês gerou novos temores sobre a economia do país, o segundo maior consumidor de petróleo do mundo, num momento em que o mercado global já está com excesso de oferta.

"A desaceleração chinesa continua a dominar o mercado de petróleo, causando temores persistentes sobre um sério declínio da demanda chinesa por petróleo no segundo semestre", disse Myrto Sokou, analista sênior da Sucden Financial. "Não é um cenário bom para a maioria dos mercados de commodities."

Os participantes do mercado também esperam a divulgação do mais recente balanço de poços e plataformas nos EUA, em busca de sinais sobre o rumo da produção no país, que está em máximas em décadas apesar da baixa nos preços.

A alta produção nos EUA e na Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e as preocupações com a economia chinesa têm afetado o sentimento do consumidor nas últimas semanas.

Os preços do petróleo recuam cerca de 55% desde o ano passado. "A situação prolongada de ampla oferta de petróleo está pesando sobre os preços, com os EUA e a Opep produzindo em níveis recordes", disse Michael Poulsen, analista de petróleo da Global Risk Monitor.

A Baker Hughes informará a mais recente contagem de poços e plataformas nos EUA, que muitos no mercado veem como um indicativo da produção de xisto.

O número havia recuado com a baixa nos preços no ano passado, mas aumentou nas últimas quatro semanas, gerando dúvidas sobre as expectativas de que a produção de petróleo dos EUA recuará de maneira significativa, com os produtores melhorando sua eficiência e privilegiando poços mais rentáveis. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.