Invest

Petrobras: veja as quatro preocupações dos investidores após Prates assumir o comando

Política de preços, valor dos dividendos e investimento em energia renovável estão entre as preocupações dos investidores

Petrobrás: O nome de Prates não era surpresa para ninguém, mas a queda dos papéis refletiu a preocupação dos investidores com os rumos da companhia (Illustration by Budrul Chukrut/SOPA Images/LightRocket via/Getty Images)

Petrobrás: O nome de Prates não era surpresa para ninguém, mas a queda dos papéis refletiu a preocupação dos investidores com os rumos da companhia (Illustration by Budrul Chukrut/SOPA Images/LightRocket via/Getty Images)

AO

Agência O Globo

Publicado em 27 de janeiro de 2023 às 08h21.

No dia em que o Conselho de Administração da Petrobras confirmou Jean Paul Prates, o indicado pelo governo, no comando da estatal, as ações ordinárias (com voto) da petroleira caíram 2,79%. O nome de Prates não era surpresa para ninguém, mas a queda dos papéis refletiu a preocupação dos investidores com os rumos da companhia na nova gestão.

Política de preços, investimentos em energia renovável, suspensão da venda de ativos, redução nos dividendos para garantir um volume maior de investimentos e uso da companhia para políticas públicas são algumas das preocupações recorrentes citadas por analistas de mercado. Já se sabe que a empresa terá um novo rumo neste governo, mas ainda não se sabe exatamente qual será.

Veja os temas que concentram as atenções do investidor

Proposta de mudança na política de preços de combustíveis da estatal

O governo pretende mudar a política de paridade de preços da Petrobras, que repassa a flutuação do barril do petróleo e do dólar. Recentemente, Jean Paul Prates já disse que não haverá intervenção e que os valores serão vinculados ao mercado internacional “de alguma forma”. Ele é a favor de um fundo de equalização para atenuar o impacto de picos na cotação do óleo.

Investimentos em outras áreas além do pré-sal, especialmente em renovável

Durante anos a Petrobras concentrou esforços em reduzir seu endividamento e investir no pré-sal. O novo governo pretende ampliar o escopo de atuação para que ela invista também em energia renovável. O movimento já foi seguido por outras petroleiras, mas exigirá um aporte maior de recursos, o que pode significar dividendos menores aos acionistas.

Suspensão da venda de ativos e aposta em novas refinarias próprias

O governo determinou que a estatal suspendesse o programa de venda de ativos, um fator que havia contribuído para a redução do endividamento. Em outra frente, defende a construção de refinarias. Para isso, será necessário renegociar os termos de acordo com o Cade, órgão de defesa da concorrência, que prevê a venda de unidades para abrir espaço ao setor privado.

Uso da estatal com foco em políticas públicas, como no setor de fertilizantes

Integrantes do governo, como o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, já declararam que a Petrobras deve voltar a investir em unidades de fertilizantes. A estatal havia saído do setor para concentrar sua atuação em negócios centrais. Depois da guerra da Ucrânia, que elevou o preço de fertilizantes, o setor passou a ser visto como estratégico.

 

Acompanhe tudo sobre:Investimentos de empresasJean Paul PratesPetrobras

Mais de Invest

Veja o resultado da Mega-Sena, concurso 2729; prêmio é de R$ 47 milhões

As despesas médicas que podem ser deduzidas na declaração do Imposto de Renda

Auxílio Reconstrução de R$ 5,1 mil: moradores do RS devem confirmar dados a partir de segunda-feira

Por que Argentina de Milei tem animado o mercado, apesar de inflação recorde e retração

Mais na Exame