Acompanhe:

Payroll nos EUA, JCP da Vale, investimentos da Suzano e o que mais move o mercado

Bolsas operam próximas da estabilidade no exterior em meio à expectativa por dados dos mercado de trabalho americano

Placa de "estamos contratatando" em rede de mercados americana T.J. Maxx (JIM WATSON/AFP/Getty Images)

Placa de "estamos contratatando" em rede de mercados americana T.J. Maxx (JIM WATSON/AFP/Getty Images)

G
Guilherme Guilherme

2 de dezembro de 2022, 07h46

Bolsas internacionais iniciaram esta sexta-feira, 2, em tom de cautela à espera da divulgação dos dados oficiais do mercado de trabalho americano. A expectativa é de que o payroll, considerado um dos principais indicadores da economia americana, apresente a criação de 200.000 empregos urbanos para o mês de novembro.

O mercado também estará atento aos números da taxa de desemprego, para qual é esperada a manutenção de 3,7%, e à evolução do salário médio por hora trabalhada, que deve cair de 4,7% para 4,6% de alta na comparação anual, de acordo com estimativas do mercado.

Mas mais do que um retrato sobre o mercado de trabalho dos Estados Unidos, os dados, que serão divulgados às 10h30 (de Brasília), trarão um panorama para a condução dos juros do Federal Reserve (Fed). Embora as últimas sinalizações indiquem redução do ritmo de alta de juros já na próxima reunião, ainda há incertezas sobre por quanto tempo as taxas se manterão elevadas no país.

Ainda que dados recentes da inflação americana tenham saído abaixo do esperado, há grandes receios por parte do mercado e do Fed quanto a força do mercado de trabalho. O temor é de que a falta de mão de obra alimente a pressão por salários mais altos, retroalimentando a inflação no país. Portanto, um eventual aumento do desemprego nos Estados Unidos, dada as circunstâncias, tende a representar um alívio para os investidores.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Desempenho dos indicadores às 7h40 (de Brasília):

  • Dow Jones futuro (Nova York): - 0,10%
  • S&P 500 futuro (Nova York): - 0,02%
  • Nasdaq futuro (Nova York): - 0,05%
  • FTSE 100 (Londres): - 0,24%
  • DAX (Frankfurt): + 0,10%
  • CAC 40 (Paris): - 0,19%
  • Hang Seng (Hong Kong)*: - 0,33%
  • Shangai Composite (Xangai)*: - 0,29%

O anúncio do payroll deve agitar a manhã no mercado brasileiro. Mas a expectativa é de que o volume de negociação seja mais baixo no período da tarde, especialmente durante o último jogo da Seleção Brasileira na fase de grupos da Copa do Mundo. Na última partida do Brasil na Copa, na segunda-feira, 28, o Ibovespa teve baixa variação após o início da partida, que havia iniciado às 13h. O jogo de hoje, contudo, será mais tarde, às 16h.

JCP da Vale (VALE3)

O Conselho de Administração da Vale aprovou a distribuição de R$ 1,32 bilhão em juro sobre capital próprio (JCP), equivalente ao valor bruto de  R$ 0,29 por ação. O montante tem como base o balanço do terceiro trimestre e é referente à antecipação da destinação de resultado do presente exercício.

O valor do JCP, segundo a Vale, será abatido da quantia a ser deliberada referente ao segundo semestre do ano. Terão direito ao JCP os investidores que tiverem ações da Vale até o dia 12 de dezembro.

Capex da Suzano (SUZB3)

A Suzano anunciou R$ 18,5 bilhões em investimentos para 2023, 15% a mais do que foi estimado para este ano. Do valor total, R$ 6,4 bilhões será destinado à manutenção, R$ 8,9 bilhões ao Projeto Cerrado, R$ 2,4 bilhões a gastos com terras e florestas e R$ 800 milhões a outras áreas, como de expansão, moderninzação e de terminais portuários.

O aumento do Capex para o ano que vem, segundo a Suzano, se deve ao efeito da inflação sobre investimentos florestais e à maior intensidade de projetos e serviços nas plantas industriais.

Leia mais: "Dólar tem muito mais cara de R$ 4 do que de R$ 6, mas tudo depende do fiscal", diz CEO da AZ Quest