Invest

Nubank (ROXO34) tem lucro de US$ 378,8 milhões no 1º tri, alta de 167%

Banco digital somou US$ 2,7 bilhões em receitas, com avanço de 64% no indicador

Nubank tem lucro de US$ 378,8 milhões no primeiro trimestre deste ano (Nubank/divulgação/Divulgação)

Nubank tem lucro de US$ 378,8 milhões no primeiro trimestre deste ano (Nubank/divulgação/Divulgação)

Beatriz Quesada
Beatriz Quesada

Repórter de Invest

Publicado em 14 de maio de 2024 às 17h16.

Última atualização em 15 de maio de 2024 às 11h26.

O Nubank (NYSE:NU) teve lucro líquido de US$ 378,8 milhões no primeiro trimestre deste ano, alta de 167% frente ao mesmo período do ano anterior. Na comparação trimestral, o Nubank (ROXO34) teve alta de quase 5% no lucro líquido. 

O resultado ficou abaixo das projeções compiladas pela LSEG (antiga Refinitv). Os analistas ouvidos esperavam, em média, lucro líquido de US$ 404,8 milhões.

Em receitas, o Nubank somou um novo recorde de US$ 2,7 bilhões, que representa um aumento de 64% em base neutra de câmbio em relação ao primeiro trimestre do ano anterior.

Por sua vez, a receita média mensal por cliente ativo (ARPAC) avançou 30% em base anual, para US$ 11,4. A ambição do Nubank é alcançar o patamar de receita dos grandes bancos de varejo ronda os US$ 45.

Carteira de crédito e inadimplência

A carteira de crédito total do Nubank teve expansão de 52% no primeiro trimestre frente ao mesmo período do ano passado, para US$ 19,6 bilhões. 

A inadimplência de longo prazo, acima de 90 dias, subiu de 5,5% para 6,3% na comparação anual e avançou 0,3 ponto percentual (p.p.) frente ao último trimestre. A inadimplência de 15 a 90 dias avançou de 4,2% para 5% em base anual. Frente à divulgação anterior, o indicador subiu 0,9 p.p..

Acompanhe tudo sobre:NubankBalanços

Mais de Invest

Bolsa Família 2024: pagamento de maio começa na sexta-feira; veja calendário e quem recebe

JBS (JBSS3): melhora de margem impressiona e ação lidera alta do Ibovespa

Contribuintes do RS receberão restituição do IR 2024 no dia 31 de maio

Bolsas da Europa fecham em alta, apoiadas por CPI dos EUA e balanços, renovando recordes

Mais na Exame