Ibovespa muda de rumo e fecha em alta mesmo com queda da Petrobras

Caio Mario Paes de Andrade será o terceiro presidente da estatal no ano; mudança tem como pano de fundo pressões sobre alta do combustível
Painel de cotações da B3 (Patricia Monteiro/Bloomberg via/Getty Images)
Painel de cotações da B3 (Patricia Monteiro/Bloomberg via/Getty Images)
Por Guilherme Guilherme, Beatriz QuesadaPublicado em 24/05/2022 17:39 | Última atualização em 24/05/2022 20:03Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Ibovespa hoje: o principal índice da bolsa brasileira virou para o campo positivo e encerrou o pregão desta terça-feira, 24, em leve alta mesmo com a forte queda nas ações da Petrobras. Ao longo do dia, o Ibovespa foi pressionado pela queda nas ações da petroleira e pelo clima negativo no exterior, mas reverteu a tendência com a alta das ações da Vale e dos bancos, que também têm grande peso no índice.

O Ibovespa na mínima chegou a cair 1,76%, aos 108.399 pontos. O índice encerrou o pregão em alta de 0,21%, aos 110.580 pontos.

Mesmo com a virada do índice no final do pregão, o clima negativo pautou as negociações nesta terça-feira. A principal queda veio da Petrobras, com o mercado reagindo à nova interferência do governo de Jair Bolsonaro na estatal. Já considerando a correção ex-dividendos da ação, a desvalorização do papel supera 4%. 

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia 

José Mauro Ferreira Coelho, atual presidente da companhia, deve deixar o cargo com menos de dois meses no posto. Sua saída foi solicitada na última noite por meio de ofício do Ministério de Minas e Energia, que indicou Caio Mario Paes de Andrade para assumir a estatal. 

  • Petrobras (PETR3): - 2,83%
  • Petrobras (PETR4): - 2,89%

Paes, atual secretário de Desburocratização do governo, será o terceiro nome a presidir a petrolífera somente neste ano. A troca de comando ocorre em meio aos sucessivos aumentos dos preços de combustíveis pela Petrobras e a poucos meses das eleições presidenciais. 

"As mudanças recorrentes para o cargo de CEO aumentam substancialmente a percepção de riscos para o caso de investimento da Petrobras", disseram analistas do Credit Suisse, em relatório. Porém, eles ressaltaram que não esperam por mudanças significativas na política de preços da companhia — um dos maiores temores do mercado. 

A queda da estatal ocorreu na contramão de outras petrolíferas privadas, indicando possíveis trocas de posições por parte dos investidores, que saem da estatal para evitar o risco político. PetroRio liderou os ganhos do Ibovespa, enquanto o petróleo operou praticamente estável no exterior. 

  • PetroRio (PRIO3): + 3,90%
  • 3R (RRRP3): + 3,39%

O clima no exterior, contudo, foi de cautela. Apesar das esperanças sobre um possível alívio tarifário de produtos importados da China para os Estados Unidos, preocupações sobre altas de juros e seus impactos no crescimento econômico falam mais alto. Empresas de tecnologia voltaram a ser destaque negativo em Nova York, com o índice Nasdaq caindo mais de 2%. O Snapchat, que admitiu que não conseguirá entregar o guidance do segundo trimestre na última noite, desabaram 42,5% na Nasdaq.  

  • Nasdaq (EUA): - 2,35%
  • S&P 500  (EUA): - 0,81%

Apesar do cenário adverso nas bolsas de valores estrangeiras, o dólar operou perto da estabilidade. Como pano de fundo, ainda estão as falas da presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, sobre a possibilidade de os juros saírem de patamar negativo ainda até setembro. Lagarde volta a falar em público nesta tarde, em painel do Fórum Econômico de Davos. No Brasil, a moeda voltou a subir, após início de sessão em queda.

  • Dólar: + 0,21%, R$ 4,812