Gol vê demanda crescer 41% em setembro com retomada internacional

Volta de voos para exterior deu impulso à oferta e demanda da companhia aérea
Companhia já transportou mais de 19,5 milhões de passageiros em 2022 (Amanda Perobelli/Reuters)
Companhia já transportou mais de 19,5 milhões de passageiros em 2022 (Amanda Perobelli/Reuters)
R
Raquel Brandão

Publicado em 05/10/2022 às 19:19.

Última atualização em 05/10/2022 às 19:24.

A companhia aérea Gol (GOLL4) aumentou a oferta de voos e também viu a demanda crescer em setembro. Na comparação com o mesmo mês de 2021, a oferta total (ASK) aumentou 36,9%. O total de assentos cresceu 29,5% e o número de decolagens evoluiu 30,1%, superando 16 mil. A demanda total (RPK) aumentou 41,4% e a taxa de ocupação ficou em 81,7%, 2,6 pontos percentuais a mais.

Próprio do setor aéreo, o indicador ASK representa a oferta de assentos por quilômetros voados. Já o RPK, a demanda de assentos por quilômetros voados.

Com isso, no terceiro trimestre a oferta total da empresa cresceu 41,2% e a demanda, 41%. O número de assentos somou 8.481, avançando 32,5%. E as decolagens superaram o patamar de 50,6 mil, crescendo 39,8%. A taxa de ocupação ficou praticamente estável, em 81,03%, apenas 0,1 ponto percentual a menos que no terceiro trimestre de 2021.

Doméstico e internacional

No mercado doméstico, a oferta (ASK) aumentou 23,0% e a demanda (RPK) cresceu em 27,0%. A
taxa de ocupação doméstica foi 81,7%. O volume de decolagens aumentou 24,5% e o total de
assentos cresceu 24,0%.

Grande parte do impulso de oferta e demanda se deve ao retorno da operação internacional, que ficou sem voos em setembro de 2021. No mercado internacional, a operação foi retomada em novembro. Agora, a oferta foi de 323 milhões, a demanda de 265 milhões e a taxa de ocupação ficou em 82,0%. 

Retomada de voos pós-pandemia

No ano, a oferta (ASK) total cresceu 60,4%, ficando em quase 78% do que da oferta de janeiro a setembro de 2019, ano pré-pandemia. A demanda está em 76% do patamar do mesmo período daquele ano e cresceu 57,2%.

Em 2022, a empresa já transportou 19,6 milhões de passageiros e a taxa de ocupação é de 80%.

As ações da companhia fecharam com alta de 2,85% nesta quarta-feira, 5, negociadas a R$ 10,48.