Acompanhe:

Disney aumenta preço de serviço de streaming e deve limitar compartilhamento de senhas; ação dispara

A Disney planeja seguir os passos da Netflix e deve limitar o compartilhamento de senhas

Modo escuro

Continua após a publicidade
Disney: a partir deste ano, a companhia irá atualizar os acordos de assinatura com termos adicionais às políticas de compartilhamento (Andolu Agency/Getty Images)

Disney: a partir deste ano, a companhia irá atualizar os acordos de assinatura com termos adicionais às políticas de compartilhamento (Andolu Agency/Getty Images)

A Disney anunciou que irá aumentar o preço de seu serviço de seus serviços de streaming Disney+, Hulu e ESPN+ nos Estados Unidos. Dessa maneira, a versão sem anúncio do Disney+ teve um aumento de 27%, o Hulu de 20% e o ESPN+ de 10%.

Os aumentos de preços entram em vigor em outubro. Já os preços de assinaturas no pacote com anúncios não serão alterados. A decisão foi anunciada após a divulgação do balanço do terceiro trimestre fiscal. Segundo os dados divulgados, a divisão de streaming perdeu US$ 512 milhões no trimestre, embora tenha adicionado 800 mil novos assinantes ao Disney+.

Compartilhamento de senhas

A Disney planeja seguir os passos da Netflix e deve limitar o compartilhamento de senhas a partir de 2024. “Estamos estudando a melhor maneira de abordar o compartilhamento de contas e as melhores opções para assinantes pagantes compartilharem suas contas com amigos e familiares", disse o CEO da Disney, Bob Iger, durante a teleconferência de resultados da empresa na quarta-feira. Disse ainda, que a partir desse ano, a companhia irá atualizar os acordos de assinatura com termos adicionais as políticas de compartilhamento.

Durante a teleconferência de resultados, o executivo disse ainda que a Disney já tem ferramentas para monitorar o compartilhamento de senhas entre famílias e diz que há um número "significativo" de usuários envolvidos na prática.

O mercado parece ter gostado dos anúncios da Disney. As ações da companhia subiam 5,32% na bolsa de Nova York nesta quinta-feira.

Os analistas do Bank of America afirmaram que a companhia apresentou um trimestre sólidos e se mostrou otimista com as perspectivas.  Já os analistas do Bank of America recomendaram a compra dos papéis, com preço-alvo de US$ 135, representando uma alta potencial de 50% em relação aos níveis atuais.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Quem foi Charlie Munger, homenageado em carta anual de Warren Buffett
seloMercados

Quem foi Charlie Munger, homenageado em carta anual de Warren Buffett

Há 5 horas

Os "negócios maravilhosos" para investir, segundo Warren Buffett
seloMercados

Os "negócios maravilhosos" para investir, segundo Warren Buffett

Há 9 horas

Petrobras: produção de Mero vai chegar a quase 600 mil barris diários de produção
seloMercados

Petrobras: produção de Mero vai chegar a quase 600 mil barris diários de produção

Há 10 horas

Recessão nos EUA parece cada vez mais distante, diz ex-diretor do BC
seloMercados

Recessão nos EUA parece cada vez mais distante, diz ex-diretor do BC

Há 12 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais