Acompanhe:

Copom ‘hawkish’? BC reforça mensagem em nova decisão, diz Rio Bravo

Luca Mercadante, economista da gestora, destaca preocupação fiscal como uma das principais novidades do comunicado

Modo escuro

Continua após a publicidade
Selic: Copom manteve taxa básica de juros em 13,75% ano ano (Marcello Casal jr/Agência Brasil)

Selic: Copom manteve taxa básica de juros em 13,75% ano ano (Marcello Casal jr/Agência Brasil)

B
Beatriz Quesada

Publicado em 27 de outubro de 2022 às, 15h19.

Última atualização em 27 de outubro de 2022 às, 15h54.

Em movimento amplamente esperado pelo mercado, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) decidiu, nesta quarta-feira, 26, manter a taxa básica de juros, a Selic, em 13,75% ao ano. O patamar já havia sido definido em agosto, após 12 altas consecutivas – esta foi a segunda decisão pela manutenção da taxa. 

O comunicado não trouxe surpresas, e, apesar da manutenção, reforçou um tom mais duro, avalia Luca Mercadante, economista da Rio Bravo, em entrevista à EXAME Invest

“O comunicado reforça que o BC deixou de subir os juros mas segue vigilante e não irá hesitar em subir os juros caso a dinâmica não melhore. Foi uma comunicação ligeiramente mais ‘hawkish’”, afirma.

Mercadante destaca, no entanto, algumas novidades na comunicação do BC: o peso dado aos números de 2024, que entram agora na equação; uma desaceleração da atividade econômica e, por fim, uma maior cautela com o cenário fiscal para o próximo ano.

“A inclusão do fiscal é a principal novidade do comunicado, com o Copom sinalizando uma possibilidade de que o cenário atrapalhe a dinâmica de desinflação e, consequentemente, a trajetória dos juros. É uma forma de sinalizar uma posição mais conservadora”, diz.  

A projeção da Rio Bravo é que o Copom comece a cortar a Selic a partir de junho do próximo ano, no final do segundo trimestre. A expectativa é que a taxa encerre 2023 em 11,75% ao ano. Confira abaixo os principais pontos da entrevista:  

  • A manutenção da taxa era amplamente esperada pelo mercado. Qual a sinalização que o Banco Central deixa com o comunicado?

Já imaginávamos que o BC iria manter a taxa, assim como esperava o mercado. Dados do IPCA-15 reforçaram essa ideia, com dinâmicas benignas principalmente na inflação subjacente. 

Mas há novidades interessantes. O BC começa a dar peso para 2024 e olha ainda para uma atividade econômica que começa a desacelerar, o que também poderia justificar um momento de estabilização da taxa para avaliar a nova dinâmica.  

A inclusão do fiscal é a principal novidade do comunicado, com o Copom sinalizando uma possibilidade de que o cenário atrapalhe a dinâmica de desinflação e, consequentemente, a trajetória dos juros. É uma forma de sinalizar uma posição mais conservadora.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

  • Na última decisão, o tom foi de advertência, para que o mercado não começasse a precificar um corte na taxa antes do esperado. Pode fazer uma comparação com o tom do comunicado de hoje?

Na decisão passada a novidade era maior, nós mesmos esperávamos que a taxa subisse para 14%. Boa parte do discurso já estava posto, mas o BC coloca novas questões, como a questão fiscal, que mantém o tom mais duro.

O comunicado reforça que o BC deixou de subir os juros mas segue vigilante e não irá hesitar em subir os juros caso a dinâmica não melhore. Foi uma comunicação ligeiramente mais ‘hawkish’.

  • Na última reunião, a decisão não foi unânime, com dois diretores defendendo uma alta residual na taxa. Desta vez, no entanto, a decisão foi unânime. O que mudou?

A falta de unanimidade na última decisão faz parte da sinalização que o Copom queria dar ao mercado. Dava mais força ao indicativo de que, se a dinâmica piorasse, o BC voltaria a subir os juros. 

Agora, com a dinâmica de dados de inflação um pouco melhor, existem sinais de desinflação que dão mais segurança. Assim, a unanimidade pela manutenção da taxa não preocupa o mercado.

  • Na próxima semana teremos a decisão do Fed, o banco central americano. A trajetória de alta nos EUA ainda pode impactar o movimento dos juros no Brasil? 

O BC já espera que o Fed siga subindo os juros. Para influenciar, seria necessária uma grande novidade – como uma sinalização de que o Fed irá muito além do esperado. Essa mudança de trajetória pode, inclusive, ser apenas a manutenção dos juros mais altos por mais tempo. Não acredito em um novo aumento da Selic nos próximos meses.

Leia mais: Lula x Bolsonaro: quais ações mais se beneficiam da vitória de cada candidato

Últimas Notícias

Ver mais
Governo aprova nova queda de juros do empréstimo consignado para beneficiários do INSS
Economia

Governo aprova nova queda de juros do empréstimo consignado para beneficiários do INSS

Há 6 horas

Drex: lançamento do real digital pode atrasar, aponta coordenador do Banco Central
Future of Money

Drex: lançamento do real digital pode atrasar, aponta coordenador do Banco Central

Há um dia

BCE pode ter razões para cortar juros antes do Fed pela primeira vez, diz Gavekal
seloMercados

BCE pode ter razões para cortar juros antes do Fed pela primeira vez, diz Gavekal

Há 2 dias

Cenário está bem para uma Selic terminal mais para 9,5%, diz ex-diretor do BC
seloMercados

Cenário está bem para uma Selic terminal mais para 9,5%, diz ex-diretor do BC

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais