Acompanhe:

Os títulos do tesouro dos Estados Unidos, considerados os ativos mais seguros do mundo, estão passando por uma “inversão” que preocupa o mercado. Os rendimentos dos títulos com vencimento em 10 anos, na curva longa de juros, estão em tendência de alta, superando o rendimento dos títulos de 2 anos, na parte mais curta da curva.

A mudança veio no embalo das últimas sinalizações do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). Em sua última reunião, o Fed indicou mais uma alta de juros ainda este ano par aconter a inflação, e apontou ainda que os cortes no próximo ano serão em menor quantidade que o esperado, ou seja, os juros vão ficar altos por mais tempo.

Nas projeções do Fed para os próximos anos, foram retiradas dois cortes de juros que estavam previstos para 2024. A expectativa mediana de diretores do Fed é de que os juros americanos, hoje entre 5,25% e 5,5%, permaneçam acima de 5% durante todo o ano que vem.

Esse foi o cenário responsável pela inversão do rendimento das curvas longa e curta de juros, que pode ter um impacto nocivo para a economia na avaliação da Gavekal Research. 

“Desde que a inversão atingiu o pico em 1º de junho, as taxas de juros de 10 anos subiram 109 pontos base, enquanto as taxas de três meses subiram apenas 9 pontos base, resultando em um aumento líquido substancial de 100 pontos base. Voltando aos anos 1990, tal inversão tem sido fortemente associada a uma recessão subsequente”, apontou a casa de análise em relatório.

Tenha acesso aos relatórios semanais sobre macroeconomia de uma das maiores casas de análise do mundo

O impacto nas empresas

A recessão viria de um aumento nas dívidas líquidas das empresas não financeiras do país. “Desde os anos 1990, as companhias aumentaram suas reservas de caixa e equivalentes de caixa e optaram por dívidas de longo prazo, tornando suas despesas líquidas com juros mais dependentes da curva de juros e menos dos níveis de taxas de juros em si. Portanto, quando a curva se desinverte por meio de um aumento da inclinação, as empresas dos EUA pagarão mais juros sobre dívidas de longo prazo, enquanto os retornos de caixa crescerão mais lentamente”, explicaram os analistas.

O resultado seria um aumento generalizado das despesas com juros, que pode pesar no lucro das empresas, levando a demissões de funcionários. A avaliação da Gavekal é que esse movimento poderia levar o Fed a cortar os juros, mas os desafios continuariam no radar. “Os custos de empréstimos das empresas dos EUA cairão, mas sua receita de juros diminuirá ainda mais”, informou o relatório.

Veja também

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Governo dos EUA movimenta R$ 10 bilhões em bitcoin e gera apreensão no mercado
Future of Money

Governo dos EUA movimenta R$ 10 bilhões em bitcoin e gera apreensão no mercado

Há 3 horas

Inflação e núcleos caem em boa parte dos emergentes, mas há alta em serviços, diz Campos Neto
Economia

Inflação e núcleos caem em boa parte dos emergentes, mas há alta em serviços, diz Campos Neto

Há 4 horas

Nos EUA, Biden e Trump vencem primárias em quatro estados
Mundo

Nos EUA, Biden e Trump vencem primárias em quatro estados

Há 8 horas

Inter Miami x Monterrey: onde assistir, horário e escalações pela Liga dos Campeões da Concacaf
Esporte

Inter Miami x Monterrey: onde assistir, horário e escalações pela Liga dos Campeões da Concacaf

Há 11 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais