Invest

Como o “efeito Ozempic” pode transformar o mercado de ações

Medicamentos contra a obesidade são febre nas bolsas e podem afetar mercados para além da indústria farmacêutica

Ozempic: remédio para diabetes virou febre em tratamentos de emagrecimento (imyskin/Getty Images)

Ozempic: remédio para diabetes virou febre em tratamentos de emagrecimento (imyskin/Getty Images)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 16 de outubro de 2023 às 18h38.

Última atualização em 16 de outubro de 2023 às 20h02.

O lançamento do Ozempic gerou uma febre no mercado de healthcare que segue dando frutos. O remédio desenvolvido originalmente para tratar diabetes tipo 2 tem um princípio que pode ser utilizado para obesidade. De olho no potencial desse mercado, a farmacêutica Novo Nordisk, criadora do Ozempic, lançou o Wegovy, primeiro medicamento injetável semanal indicado apenas para perda de peso e que virou sensação entre as celebridades de Hollywood e do Vale do Silício.

E a tendência não termina por aí. Na semana passada, a Novo Nordisk disse que um estudo clínico sugeria que a semaglutida, o ingrediente ativo do Ozempic e do Wegovy, poderia ajudar pessoas com insuficiência renal.

O efeito imediato foi a alta nas ações da Novo Nordisk e da Eli Lilly, que fabrica um medicamento semelhante. Na ponta oposta, as ações de dois dos maiores expoentes globais no mercado de tratamento renal, DaVita e da Fresenius Medical Care, fecharam em queda.

E este pode ser um indicativo do potencial de disrupção desse mercado. A própria Novo Nordisk, avaliada em US$ 433 bilhões, se tornou no mês passado a maior empresa da Europa ultrapassando a LVMH, dona da Louis Vuitton. Já a Eli Lilly, fabricante do medicamento Mounjaro, já é a nona maior empresa do S&P 500 – índice mais famoso do mercado americano – com um valor de mercado de US$ 568 milhões.

A expectativa de analistas é que a febre dos medicamentos para emagrecer possa ser o início de uma consolidação no setor. “Acho que, em última análise, isso estimulará mais atividades de fusões e aquisições. O mercado está em formação enquanto falamos”, disse Punit Mehta, diretor-geral sênior da Guggenheim Partners, à CNBC. 

Efeitos além da saúde

E esta pode ser apenas a ponta do iceberg. O mercado de saúde, apenas nos Estado Unidos, pode estar avaliado em US$ 4,4 trilhões segundo estimativas compiladas do site Market Insider. Mas a indústria farmacêutica não deve ser a única afetada.

Uma pesquisa do Morgan Stanley obtida pelo Market Insider analisou 300 pacientes que tomavam os medicamentos para emagrecer. O estudo mostrou que o consumo diário de calorias caiu de 20% a 30%, o que pode afetar diretamente as varejistas de alimentos. 

O CEO do Walmart, John Furner, disse à Bloomberg que os clientes usuários desses remédios já estão comprando menos alimentos. E analistas do banco de investimentos Barclay's apontaram que os medicamentos contra obesidade são um risco para os restaurantes de fast food e fabricantes de cigarros, já que reduzem a dependência de substâncias viciantes. Entre as companhias que podem ser afetadas, estão gigantes como Coca-Cola, PepsiCo e McDonald's.

Veja também

Acompanhe tudo sobre:Açõesbolsas-de-valoresIndústria farmacêutica

Mais de Invest

Celesc (CLSC3, CLSC4), Blau Farmacêutica (BLAU3) e mais divulgam JCP; ainda dá para investir

Ibovespa opera em queda com investidores repercutindo ata do Copom; dólar sobe a R$ 5,43

Quanto rende R$ 10 milhões a 110% do CDI?

Mega-Sena sorteia nesta terça-feira prêmio acumulado em R$ 93 milhões

Mais na Exame