Invest

China planeja concentrar compras de minério em estatal

Representantes das principais produtoras de minério de ferro, como a Vale, foram informados sobre as mudanças por autoridades chinesas em reuniões recentes

Minério de ferro: discussões recentes assustaram executivos do alto escalão das maiores mineradoras (Krisztian Bocsi/Bloomberg)

Minério de ferro: discussões recentes assustaram executivos do alto escalão das maiores mineradoras (Krisztian Bocsi/Bloomberg)

B

Bloomberg

Publicado em 16 de dezembro de 2022 às 18h16.

A China está prestes a sacudir o comércio de minério de ferro, um mercado de US$ 160 bilhões, com a maior mudança dos últimos anos, em meio aos esforços do governo de Pequim para aumentar o controle sobre os recursos naturais necessários para alimentar sua economia.

Uma nova empresa estatal chamada China Mineral Resources Group deve se tornar a maior compradora de minério de ferro do mundo já no próximo ano, quando começará a consolidar os pedidos em nome de cerca de 20 das maiores siderúrgicas chinesas, incluindo a líder China Baowu Steel Group Corp., de acordo com pessoas com conhecimento do assunto.

A CMRG já começou a negociar contratos de fornecimento com grandes mineradoras como Rio Tinto, Vale e BHP, disseram as pessoas, que pediram para não serem identificadas.

O passo para consolidar as compras da enorme indústria siderúrgica da China dará à CMRG um poder de negociação sem precedentes no mercado de minério de ferro, e a nova empresa planeja buscar descontos nos preços vigentes. É a mais recente de uma série de tentativas da China, maior importadora de quase todas as principais commodities, de aumentar sua influência sobre os mercados e preços globais.

Representantes das principais produtoras de minério de ferro foram informados sobre as mudanças por autoridades chinesas em reuniões recentes.

A estrutura atual para contratos de fornecimento a “prazo” – nos quais as siderúrgicas fazem pedidos trimestralmente e usam um índice spot para precificação – deve continuar, e a CMRG assumirá a responsabilidade por certos contratos inicialmente, disseram as pessoas.

A CMRG não respondeu a vários pedidos de comentário. A Baoshan Iron & Steel Co., unidade listada da Baowu, não respondeu a uma consulta por e-mail. BHP e Rio não quiseram comentar. A Vale tem trabalhado em estreita colaboração com a CMRG e vê uma oportunidade de fortalecer sua relação com a China nesse novo contexto, escreveu a empresa em resposta por e-mail. “Nós nos vemos como um parceiro de longo prazo da China e um fornecedor confiável para a indústria siderúrgica chinesa do futuro.”

A China, que responde por cerca de 75% das importações mundiais de minério de ferro, há muito tempo se queixa que as grandes mineradoras detêm muito poder de negociação, porque a oferta é muito concentrada - os três principais produtores controlam mais da metade das exportações globais.

A CMRG foi criada em julho com o objetivo de comprar matérias-primas para a gigante indústria siderúrgica na China, mas não está claro com que rapidez a empresa começará a operar ou quanto das compras do setor acabarão centralizadas.

Se implementadas, a compra por meio da CMRG será a maior mudança no mercado de minério de ferro desde 2010, quando produtoras lideradas pela BHP aproveitaram uma disputa por suprimentos para romper um sistema de 40 anos de venda de minério de ferro a um preço anual fixo, argumentando que os preços devem ser guiados pelos fundamentos do mercado.

Agora, o poder mudou de lado. A demanda está estagnada, o que enfraquece a posição das mineradoras, e a maior siderúrgica do mundo busca se fortalecer. A demanda chinesa por minério de ferro caiu em relação a um pico em 2020, e o Macquarie Group prevê que o consumo da commodity não retornará àquele nível nos próximos cinco anos.

As discussões recentes assustaram executivos do alto escalão das maiores mineradoras, que estão preocupados com o potencial da China de aumentar seu controle sobre os preços de sua commodity mais lucrativa.

O plano atual da China é transferir todos os contratos de fornecimento para as principais siderúrgicas ao longo do tempo para a CMRG, disseram as pessoas, embora as negociações ainda estejam em andamento e a situação possa mudar. A empresa atuará como agente das siderúrgicas e contratou líderes e importantes traders de metalúrgicas chinesas.

“Os mineradores não têm escolha – precisam se inscrever nessa agência de definição de preços com sede na China, porque não há mais ninguém lá fora para comprar essas toneladas”, disse Tom Price, chefe de estratégia de commodities da Liberum Capital. Com o tempo, a mudança pode levar grandes mineradoras a trabalharem mais de perto, já que a oferta está muito concentrada entre alguns poucos produtores, disse.

“Dada a estrutura deste mercado, se a China decidir ditar os termos de preços, devemos esperar que as mineradoras respondam com um comportamento menos competitivo e mais estratégico.”

Acompanhe tudo sobre:ChinaCommoditiesMinério de ferroVALE3

Mais de Invest

Fed: John Williams diz que alta nos salários ainda não desacelerou de modo consistente

UBS anuncia mudanças na diretoria em etapa final da fusão com Credit Suisse

Buffett, Zuckerberg e Musk: além de Sam Altman, veja quem vai doar fortuna para caridade

Adeus, rali do Ibovespa? Veja se Selic a 10% a.a. pode fazer bolsa murchar

Mais na Exame