brMalls deve submeter nova proposta de fusão da Aliansce aos acionistas

Nova proposta aumenta participação da brMalls na nova empresa de 50,08% para 55,2%
Shopping da brMalls (BR MALLS/Divulgação)
Shopping da brMalls (BR MALLS/Divulgação)
Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Publicado em 19/04/2022 às 09:49.

Última atualização em 19/04/2022 às 10:49.

A brMalls (BRML3) afirmou que deve submeter a nova proposta de fusão da Aliansce Sonae (ALSO3) à deliberação de acionistas em assembleia geral a ser convocada pela empresa. Esta foi a terceira oferta de fusão, que pode formar a maior empresa de shoppings do país.

Os temos propostos consideram um aumento de 18% em relação à proposta original de janeiro deste ano. Em relação à última oferta,  a relação passou de 0,334 ação da Aliansce para 0,394 por ação da brMalls. Dessa forma, os acionistas da brMalls ficarão com 55,2% da nova empresa. Por outro lado, o pagamento em dinheiro proposto foi reduzido de R$ 1,850 bilhão para R$ 1,25 bilhão.

A segunda proposta, realizada em março, considerava 51,08% da nova companhia para os acionistas da brMalls. Vale ressaltar, porém, que a Aliansce já detinha mais de 5% das ações da brMalls na data da oferta, recusada pelo Conselho da brMalls sem ter passado pela assembleia.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Como resposta à recusa, gestoras com posições relevantes na brMalls e interessadas na fusão pressionaram a empresa para que a proposta fosse apreciada pelos acionistas. A carta pública foi assinada pela Truxt, Oceana e Miles Capital,

A empresa disse, em comunicado, que avaliaria o pedido, mas não havia cedido ao pedido. Com os novos termos na mesa, o brMalls informou que irá "se engajar" com os representantes da Aliansce para a elaboração do documento para a deliberação de acionistas.

"Uma vez finalizada a negociação e respectiva documentação necessária para convocação da assembleia geral, o Conselho de Administração se reunirá novamente para examinar e deliberar sobre os termos e condições da referida reorganização societária"

A companhia afirmou, porém, a deliberação "não deve ser entendida como apoio ou recomendação em relação aos termos da nova proposta".