Mercados

BB Investimentos reduz preço-alvo da Petrobras com resultado

A recomendação para as ações ordinárias e preferencias, no entanto, foi elevada para outperform


	Nos últimos dez meses a Petrobras reajustou o preço da gasolina e do diesel em 14,9% e 21,9%
 (QUATRO RODAS)

Nos últimos dez meses a Petrobras reajustou o preço da gasolina e do diesel em 14,9% e 21,9% (QUATRO RODAS)

DR

Da Redação

Publicado em 29 de abril de 2013 às 15h33.

São Paulo - Com base nos resultados divulgados na última sexta-feira, a BB Investimentos revisou o preço-alvo e recomendação para os papeis da Petrobras

Andréa Aznar e Carolina Flesch, que assinam o relatório, estimaram o preço-alvo para as ações ordinárias (PETR3) em 25,31 reais e em 23,23 reais para as preferenciais (PETR4), o que representa um potencial de valorização de 40,3% e 20,4%, respectivamente. A recomendação para ambas é de outperform (desempenho acima da média do mercado).

Os preços-alvo para os papéis da Petrobras estavam em revisão pela corretora desde fevereiro, quando eram avaliados em 27,50 reais (PETR3) e 26 reais (PETR4), com recomendação de market-perform (desempenho em linha com a média do mercado).

Resultado

A Petrobras apresentou lucro líquido de 7,7 bilhões de reais no primeiro trimestre de 2013, valor 0,7% menor que o resultado obtido no trimestre anterior e 16,51% menor do que o registrado no mesmo período de 2012. 

O Ebitda ajustado chegou a 16,2 bilhões de reais, 35,9% maior em relação ao trimestre anterior, mas 1,76% menor frente a um ano antes. 

Na opinião das analistas, o resultado da estatal veio em linha com o que era esperado, considerando os aumentos nos preços dos derivados e a redução do nível de produção no início do ano, conforme divulgado anteriormente pela empresa. 


Para o resto do ano, as perspectivas são otimistas. “Acreditamos que os programas de redução de custos e aumento de produtividade, assim como os recordes no processamento das refinarias, podem impactar positivamente os próximos balanços da companhia”, afirmam Andréa e Carolina. 

Produção

A produção de petróleo da Petrobras no Brasil caiu 3,8 % em março ante fevereiro, para 1,846 milhão de barris por dia (bpd) em média. O volume é o menor desde setembro do ano passado, quando a estatal produziu 1,843 milhão de barris.

"A queda do volume produzido decorreu, principalmente, de paradas programadas em plataformas da Bacia de Campos: P-9, PCE-1 e FPSO-Espírito Santo (Parque das Conchas, operado pela Shell) e da continuação da parada programada da P-54, iniciada no dia 27 de fevereiro, mas com maior impacto em março", afirmou a empresa em comunicado. 

Segundo a empresa, em 2013 a produção de óleo e gás natural no Brasil deve ficar estável em relação a 2012, tendo menor patamar no primeiro semestre pela concentração de paradas para manutenção.

Gasolina

Além disso, a Petrobras continua a sofrer com o descasamento entre os preços dos combustíveis vendidos no mercado doméstico e aqueles importados pela companhia para atender a demanda interna. 

Embora nos últimos dez meses a estatal tenha reajustado o preço da gasolina e o diesel em 14,9% e 21,9%, respectivamente, isso foi insuficiente para eliminar o prejuízo nessas operações.

Acompanhe tudo sobre:B3BB Investimentosbolsas-de-valoresCapitalização da PetrobrasCombustíveisEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas estataisEnergiaEstatais brasileirasGás e combustíveisGasolinaIndústria do petróleoPETR4PetrobrasPetróleo

Mais de Mercados

Petróleo fecha em alta, de olho estoques dos EUA e após decisão do Fed

Bolsas da Europa fecham em alta, após quedas com incerteza política e acompanhando CPI dos EUA

Fed mantém juro inalterado nos EUA e projeta apenas um corte neste ano

Apple ultrapassa Microsoft impulsionada por IA e se torna a empresa mais valiosa do mundo

Mais na Exame