Acompanhe:

Com queda de 77%, Americanas perde R$ 8,4 bi em valor de mercado após rombo bilionário

Sérgio Rial, que havia assumido a empresa no início do ano, deixou o cargo de CEO após encontrar inconsistências contábeis

Modo escuro

Continua após a publicidade
Emissão fará frente à dívida de curto prazo, diz empresa (Americanas/Divulgação)

Emissão fará frente à dívida de curto prazo, diz empresa (Americanas/Divulgação)

B
Beatriz Quesada e Guilherme Guilherme

Publicado em 12 de janeiro de 2023 às, 10h33.

Última atualização em 12 de janeiro de 2023 às, 19h50.

Um dos maiores escândalos do mercado de capitais brasileiro ganhou um novo capítulo na bolsa nesta quinta-feira, 12. 

Após o anúncio da descoberta de buraco de R$ 20 bilhões em “incosistências contábeis” no balanço da empresa, as ações da Americanas (AMER3) caíram 77% e a companhia perdeu R$ 8,4 bilhões em valor de mercado, segundo cálculos do TradeMap.

O anúncio do rombo bilionário foi feito na última noite, após uma auditoria preliminar. Sérgio Rial, que havia assumido o posto de CEO há menos de 10 dias, renunciou ao cargo, assim como o CFO André Covre. Os executivos deram mais detalhes sobre o caso em coletiva nesta manhã, e sinalizaram que será necessária uma capitalização de bilhões de reais para recuperar a empresa.

O mercado ainda não consegue estimar ao certo o impacto total das inconsistências encontradas. "É difícil saber o verdadeiro impacto das inconsistências contábeis. Não está claro se foi uma fraude ou não, é preciso uma investigação mais profunda", disse Fernando Ferrer, analista da Empiricus. 

A ação da empresa fechou o pregão cotada a R$ 2,72 – ontem, os papéis valiam R$ 12.

  • Americanas (AMER3): - 77,33%

A derrocada teve forte efeito no setor de varejo. Segundo as primeiras informações, as inconsistências estariam nas operações chamadas de “risco sacado”, onde a companhia repassa a responsabilidade do pagamento a fornecedores para instituições financeiras.

“É uma operação feita por diversas empresas do setor. Não necessariamente existe fraude em outras empresas, mas a percepção de risco aumenta”, afirmou o gestor.

Ainda assim, o impacto pode ser positivo para as concorrentes a longo prazo. “É um concorrente relevante que vai ficar mais fraco. Pode ser que seja positivo, mas em um primeiro momento gera insegurança”, disse.

 A Magazine Luiza (MGLU3), uma de suas principais concorrentes, chegou a cair 16% na mínima mas encerrou o dia em alta de 5,6%, na liderança do Ibovespa. A Via (VIIA3), por outro lado, fechou o pregão em queda de 5%.

  • Magazine Luiza (MGLU3): + 5,94%
  • Via (VIIA3): - 5,00%

Crise de confiança

Analistas do mercado que cobriam a Americanas rebaixaram as ações da empresa. A Genial, que tinha recomendação de compra, passou a recomendar a venda, com redução do preço-alvo de R$ 28,40 para R$ 9,40.

"A nossa interpretação é de que o problema estaria nas operações de financiamento de compras com fornecedores. A companhia realizava operações de ‘risco sacado’, onde se repassa a responsabilidade do pagamento a fornecedores para instituições financeiras o que, por sua vez, reduziria a conta de fornecedores no passivo", avaliaram analistas da Genial em relatório.

"Como a Americanas passa a dever às instituições financeiras e não a fornecedores, os números fidedignos não estariam sendo refletidos no balanço, uma vez que acreditamos que os valores negociados nessas operações não tramitaram em sua integralidade pela conta de empréstimos e financiamentos."

Analistas do Itaú, que tinham R$ 15 para o preço-alvo da Americanas, colocou a cobertura da empresa em revisão. Em relatório, eles afirmaram que, além das inconsistências encontradas, as ações da companhia também devem ser penalizadas neste pregão pela saída do Rial, que goza de alta credibilidade no mercado.

Os papéis da companhia vinham de 42% de valorização no período de um mês em meio ao otimismo com a nova gestão, tocada por Rial. Até a BlackRock, a maior gestora do mundo, havia aumentado sua participação na empresa na expectativa de sua chegada. Com o derretimento de hoje, as grandes posições na empresa podem ter sido desfeitas.

LEIA TAMBÉM

Rial: Americanas é hábil para seguir operando, mas vai precisar de capitalização bilionária

Últimas Notícias

Ver mais
Meta de crescimento da China, assembleia da Oi e follow-on do GPA: 3 assuntos que movem o mercado
seloMercados

Meta de crescimento da China, assembleia da Oi e follow-on do GPA: 3 assuntos que movem o mercado

Há 3 horas

Embraer (EMBR3) sobe 4% após superpedido da American Airlines
seloMercados

Embraer (EMBR3) sobe 4% após superpedido da American Airlines

Há 19 horas

Bolsas da Europa fecham em queda, com expectativa sobre reunião do BCE
seloMercados

Bolsas da Europa fecham em queda, com expectativa sobre reunião do BCE

Há 21 horas

Ibovespa fecha em queda acompanhando NY e à espera de sinais dos juros nos EUA
seloMercados

Ibovespa fecha em queda acompanhando NY e à espera de sinais dos juros nos EUA

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais