Mercados

Ação da Queiroz Galvão sai a R$ 19, abaixo do estimado pelos coordenadores

Intervalo de preços estava entre R$ 23 e R$ 29; empresa de exploração e produção de petróleo capta R$ 1,5 bilhão

Plataforma SS-11, com participação da Queiroz Galvão, no RJ (Divulgação)

Plataforma SS-11, com participação da Queiroz Galvão, no RJ (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 9 de fevereiro de 2011 às 11h28.

São Paulo – As ações da Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP3) foram precificadas a 19 reais, abaixo do intervalo estimado (entre 23 e 29 reais) pelos coordenadores da oferta, conforme revela comunicado enviado à CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Foram vendidas 79.741.019 ações, o que movimentou um montante de 1,515 bilhão de reais. As 10,4 milhões de ações do lote suplementar foram vendidas, mas não houve a venda do lote adicional e nem da oferta secundária.

A oferta tem como coordenador líder o Itaú BBA e como coordenadores auxiliares os bancos Bank of America Merrill Lynch e BTG Pactual. Em seu portfólio, a Queiroz Galvão Exploração e Produção possui direitos de concessão sobre oito blocos exploratórios distribuídos na costa brasileira, incluindo os reservatórios no pré-sal localizados nas Bacias de Santos, Jequitinhonha e Camamu.

Segundo o prospecto preliminar da oferta, os recursos captados serão utilizados para os investimentos em exploração nos blocos e ativos que a companhia já possui, além de aquisições. As novas ações serão negociadas no Novo Mercado da BM&FBovespa. Os papéis estreiam no pregão desta quarta-feira (9).

Leia Mais: Ação da Gol está protegida contra a alta do petróleo, afirma Santander

Direto da Bolsa: Mais um frigorífico rumo à bolsa?

Acompanhe tudo sobre:EmpresasEmpresas brasileirasIndústriaIndústria do petróleoIndústrias em geralIPOsMercado financeiroOfertas de açõesQueiroz Galvão

Mais de Mercados

Dólar bate R$ 5,48 e Ibovespa opera em queda de olho em votação do Copom

Copom, posse da presidente da Petrobras e incorporação da Soma pela Arezzo: o que move o mercado

PicPay estuda fazer IPO nos EUA, diz Bloomberg

É recorde (quase) todo dia: o que explica o otimismo de investidores com as bolsas de Nova York

Mais na Exame