Inteligência Artificial

Semana útil de quatro dias é mais comum em empresas que usam IA

Pelo mundo, cada vez mais países se adaptam a um expediente mais curto sem cortar salários ou benefícios

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 8 de abril de 2024 às 06h57.

Última atualização em 9 de abril de 2024 às 16h12.

Uma nova pesquisa da Tech.co que levou em conta informações de mil líderes de negócios baseados nos Estados Unidos revelou que empresas que usam inteligência artificial de forma extensiva apresentam duas vezes mais chances de se abrirem à semana de trabalho de quatro dias. Assim, IAs como o ChatGPT e o Gemini podem ajudar a acelerar a mudança em direção a um expediente semanal mais curto.

Foi também o que afirmou o bilionário e dono do time de beisebol New York Mets, Steve Cohen. Na última quarta-feira, Cohen opinou que o progresso da inteligência artificial acelerará o processo nos Estados Unidos.

Recentemente, o senador norte-americano Bernie Sanders introduziu uma legislação no sentido de apoiar uma semana útil de 32 horas. Assim, a discussão acerca da semana de quatro dias de trabalho surge a toda força nos Estados Unidos.

Mas nem todo bilionário acredita na mudança. Barry Diller, presidente da Expedia, disse ao talk show Squawk Box, da CNBC, que, embora não enxergue a possibilidade de uma semana útil de quatro dias, ele prevê uma maior flexibilidade no trabalho. "Quatro dias no escritório, e às sextas-feiras você trabalha de casa ou no seu próprio horário", sugeriu.

Também em entrevista ao programa, a CEO da Exos, Sarah Robb O'Hagan disse que os índices de burnout caíram significativamente entre funcionários em empresas que tornaram suas sextas-feiras mais flexíveis.

Já o CEO e dono da Advanced RV, Mike Neundorfer, contou que encurtou a semana de trabalho para quatro dias há cerca de 18 meses. Segundo ele, a mudança fez uma grande diferença. "Tem sido ótimo", afirmou.

Países como a Alemanha e Portugal têm experimentado com o expediente mais curto. Já os Emirados Árabes Unidos, por sua vez, implementaram uma semana de quatro dias e meio no ano de 2023.

Na Turquia, por sua vez, uma empresa produtora de fibras acrílicas iniciou testes para instituir a mudança para seus 200 trabalhadores sem alterar seus salários ou benefícios. A companhia constatou que as semanas de quatro dias úteis aumentou o engajamento dos trabalhadores e a motivação em 85%.

Assim, a mudança parece tornar-se cada vez mais popular pelo mundo. Por ora, resta esperar para ver os efeitos que a inteligência artificial terá sobre o ritmo da inovação -- e quais empresas adotarão o novo modelo.
Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialAmbiente de trabalhofuturo-do-trabalhoexame-ceo

Mais de Inteligência Artificial

Reddit anuncia parceria de conteúdo com a OpenAI e ações sobem 15%

Ilya Sutskever, cofundador da OpenAI (ChatGPT), anuncia saída da empresa

Google anuncia ferramentas de criação para vídeos, imagens e música

Tudo com IA: a nova busca do Google muda a forma como usamos a internet

Mais na Exame