Tecnologia

Agradeça ao ChatGPT: semana de 4 dias no trabalho pode acontecer graças à inteligência artificial

A previsão é de Steve Cohen. O bilionário americano acredita que o encurtamento da semana será acelerado pela inteligência artificial

Semana de trabalho pode ficar mais curta no futuro próximo (Greg Nash-Pool/Getty Images)

Semana de trabalho pode ficar mais curta no futuro próximo (Greg Nash-Pool/Getty Images)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 5 de abril de 2024 às 09h33.

Última atualização em 9 de abril de 2024 às 16h14.

O bilionário e dono do time de beisebol New York Mets, Steve Cohen, afirmou que a semana de quatro dias úteis está no horizonte para negócios norte-americanos. Na quarta-feira, Cohen sugeriu que o progresso da inteligência artificial acelerará esse processo nos Estados Unidos.

"A minha crença é de que a semana útil de quatro dias está vindo", disse o bilionário à CNBC. Segundo ele, entre o advento da inteligência artificial e a ideia de que funcionários não são tão produtivos às sextas-feiras, trata-se de um desenrolar natural das coisas.

A ideia é que semanas mais curtas aumentem a satisfação geral com o emprego, reverberando na qualidade do trabalho e consequentemente na produtividade. Não se trata de trabalhar menos, mas de condensar as horas de trabalho em menos dias.

Em março, o senador Bernie Sanders revelou projetos legislativos que introduzirão essa semana mais curta ao país norte-americano. A medida também busca reduzir as horas semanas de 40 para 32 sem diminuições no pagamento. De acordo com Sanders, esse projeto não é uma ideia radical.

No entanto, trata-se de uma ideia controversa. Legisladores republicanos estão reagindo negativamente à medida, argumentando que ela prejudicaria negócios pequenos ao exacerbar reduções na mão-de-obra.

A pandemia da Covid-19 trouxe à tona conversas e debates acerca de semanas de trabalho mais curtas conforme cresceu a importância dada à flexibilização do trabalho. Em fevereiro deste ano, por exemplo, a Alemanha se tornou o mais novo país a testar o projeto. Em solo alemão, 45 empresas adotaram a semana útil de quatro dias, em uma tentativa de experimentar a ideia.

Agora, resta esperar para ver quais serão os efeitos de uma semana de trabalho mais curta. Ao que tudo indica, trata-se de uma medida polêmica, mas que pode ser importante para a flexibilização do emprego como o conhecemos.

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialJornada de trabalhoLeis trabalhistasexame-ceo

Mais de Tecnologia

Quatro operadoras da China se unem para oferecer roaming 5G entre redes

Colher elétrica promete 'temperar' alimento sem utilizar mais sal

Plano do Instagram para engajar usuários pode dar certo?

Novo app permite instalar jogos retrô da Nintendo no iPhone; saiba como

Mais na Exame