Inteligência Artificial

Inteligência Artificial que diz reconhecer autenticidade em quadros levanta debate

Profissionais de arte são céticos quanto à possibilidade da IA complementar ou substituir o olho humano nas avaliações

Madona Sistina, de Rafael, esteve no meio da discussão sobre o uso da IA na arte

Madona Sistina, de Rafael, esteve no meio da discussão sobre o uso da IA na arte

Publicado em 4 de março de 2024 às 10h11.

A inteligência artificial está deixando sua marca no mundo da arte, invadindo até mesmo áreas como o comércio de antigos mestres.

Carina Popovici, diretora executiva da empresa de IA Art Recognition, sediada na Suíça, disse ao Financial Times que sua empresa "oferece uma avaliação precisa e objetiva da autenticidade de uma obra de arte". Em seu site, a empresa afirma ter concluído mais de 500 avaliações de autenticidade, verificando obras contestadas, como um autorretrato de Vincent van Gogh, de 1889, no Museu Nacional de Oslo. A Art Recognition foi fundada há cinco anos.

Esse trabalho de IA no mercado da arte pode mudar a forma como lidamos com essas obras, já que a autoria de uma peça pode aumentar o preço se o artista for uma estrela e também pode impulsionar os estudos na área.

O caso de "A Adoração dos Reis", por exemplo. Foi oferecida em leilão, em 2021, com uma estimativa de € 10.500 a € 16.000 como Círculo de Rembrandt, para depois ser atribuída ao próprio mestre holandês e vendida por £ 10,9 milhões na Sotheby's.

Não são apenas os colecionadores e negociantes que querem resolver suas dúvidas: Popovici disse ao FT que o Art Recognition também é usado por serviços de gerenciamento de patrimônio e profissionais da área jurídica. A Christie's falou que está observando "com interesse os desenvolvimentos na área de IA"

Os conservadores estão preocupados com a possibilidade de a IA levar em conta fatores como uma camada suja de verniz, desgaste ou danos. Os profissionais de arte são, de fato, bastante céticos quanto à possibilidade de a IA complementar ou substituir o olho humano no julgamento de uma obra de arte.
Um episódio polêmico aconteceu no ano passado a respeito de uma pintura conhecida como Tondo de Brécy, que se acredita ser do mestre renascentista Rafael.
Em janeiro, uma análise feita por duas universidades do Reino Unido usando um software de reconhecimento facial assistido por IA concluiu que os rostos na obra eram idênticos aos de outra pintura de Rafael, a Madona Sistina (1513), confirmando assim que o de Brécy Tondo era do mestre. No entanto, o Art Recognition também analisou a peça, afirmando, ao contrário, que o de Brécy Tondo não é de Rafael, com uma classificação de 85% de probabilidade.
Desde então, a disputa com Rafael se ampliou, destacando os pontos fortes e fracos da autenticação de IA - programas diferentes podem produzir resultados diferentes.
Em dezembro de 2023, uma equipe liderada por cientistas da Universidade de Bradford apresentou novas descobertas sobre a arte de Rafael em um artigo revisado por pares publicado na revista Heritage Science. Seu programa comparou os detalhes de pinturas autênticas de Rafael com a imagem de teste, examinando em profundidade a paleta de cores, os valores tonais, os matizes e os padrões de pinceladas.
Eles concluíram que o rosto de José na obra do artista "Madonna della rosa", que se encontra no Prado em Madri, pode não ser do artista renascentista. O restante da obra é de sua autoria, dizem os especialistas da universidade. Ou seja, muita discussão ainda vem por aí.
Acompanhe tudo sobre:QuadrosInteligência artificial

Mais de Inteligência Artificial

Esta empresa usa IA para conceder créditos a pessoas sem histórico financeiro

O que esperar do evento de novidades da Apple: iOS 18, macOS 15 e foco em IA

Ações da Samsung sobem após Nvidia 'analisar' chips da empresa

Como uma pintura feita por inteligência artificial virou hype mundial e foi vendida por R$ 2 milhões

Mais na Exame