Inteligência Artificial

Inteligência artificial pode otimizar e baratear extração de petróleo

O objetivo é que a tecnologia emergente reduza os custos e ajude a extrair mais petróleo do solo

Petróleo: avanços na tecnologia pode ameaçar planos da Opep (Olga Rolenko/Getty Images)

Petróleo: avanços na tecnologia pode ameaçar planos da Opep (Olga Rolenko/Getty Images)

Publicado em 15 de março de 2024 às 14h13.

Última atualização em 15 de março de 2024 às 14h13.

A indústria do petróleo há muito tempo relegou à inteligência artificial as tarefas de escritório, como avaliação de pesquisas sísmicas, enquanto mantinha a perfuração nas mãos humanas. 

Agora, as empresas estão cada vez mais usando IA, aprendizado de máquina e operações remotas para perfurar mais rápido, sugerir melhores processos e prever quando as bombas de poços ativos falharão, segundo reportagem da Bloomberg.

O objetivo é que a tecnologia emergente reduza os custos e ajude a extrair mais petróleo do solo. Isso pode minar os esforços da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) para conter a produção global de petróleo e aumentar os preços.

Leia também: Petróleo sobe e tem maior nível em 4 meses, com alta em projeção de demanda

Embora a tecnologia esteja sendo testada ao redor do mundo, os Estados Unidos são talvez o local mais importante. As bacias de xisto do Texas, Dakota do Norte e outros estados há muito são laboratórios para descobrir maneiras mais rápidas e baratas de bombear petróleo.

Nos últimos cinco anos, os empreiteiros reduziram um dia dos aproximadamente 14 que levam para perfurar um poço, e três dias da média de 11 para fraturar um, de acordo com o provedor de dados da indústria Kimberlite International Oilfield Research. Eles fizeram isso com uma ampla variedade de novas tecnologias e técnicas, incluindo perfuração de poços horizontais com até 3 milhas de comprimento. 

Agora, a IA promete ganhos ainda maiores. A melhoria da eficiência deve trazer custos mais baixos. James West, analista da Evercore ISI, espera que as empresas comecem a destacar suas economias de custo da IA nos próximos trimestres fiscais. "Haverá economias significativas de custo, no mínimo em dois dígitos, provavelmente de 25% a 50%", disse ele.

Com a implantação apenas começando, é muito cedo para saber o impacto potencial nos empregos. Mas a tecnologia pode ajudar as empresas a superar a escassez de trabalhadores dos últimos anos. 

A tecnologia está sendo testada não apenas em formações de xisto, mas também em campos de petróleo offshore. A SLB, maior provedora de serviços petrolíferos do mundo, anunciou em janeiro que perfurou autonomamente seções de cinco poços na costa do Brasil, levando a um tempo de perfuração 60% mais rápido.

A inteligência artificial também está ajudando a manter os poços existentes fluindo. O RoboWell, um projeto de IA da Halliburton Co. e da AIQ, foi lançado recentemente para ajudar a Abu Dhabi National Oil Co. a manter suas perfurações de gás em funcionamento por meio de ajustes autônomos.

Acompanhe tudo sobre:Indústria do petróleoInteligência artificial

Mais de Inteligência Artificial

O brasileiro vai se adaptar a conversar com robôs, diz head de atendimento do BB

Uso de IA já não é mais uma escolha, diz Marcelo Braga, CEO da IBM

Lenovo lança primeiros notebooks Copilot+ com chips Snapdragon X no Brasil

ChatGPT está fora do ar? IA generativa apresentou instabilidade nesta segunda, 17

Mais na Exame