Inteligência Artificial

Ele foi estagiário de Steve Jobs nos anos 1980 — e se tornou CEO de empresa de IA

Chet Kapoora trabalhou empresa de software NeXT, fundada por Jobs em 1985

Chet ocupou cargos de liderança em empresas como Google e IBM (DataStax/Divulgação)

Chet ocupou cargos de liderança em empresas como Google e IBM (DataStax/Divulgação)

Publicado em 19 de maio de 2024 às 08h00.

Quando era adolescente, Chet Kapoor sonhava em trabalhar para ninguém menos que Steve Jobs.

Um dia, esse sonho se tornou realidade quando Kapoor foi contratado como estagiário na empresa de software NeXT, fundada por Jobs.

"Steve era uma pessoa icônica e eu não o tinha visto ainda na empresa... Eu era o cara que pegava café para o cara que fazia café", brincou Kapoor à CNBC. Ele hoje é CEO da empresa de IA generativa DataStax.

Quando Steve Jobs deixou a Apple no início dos anos 80, ele fundou a NeXT em 1985. A empresa iniciou um programa chamado Campus Consultants e começou a contratar estudantes de faculdades para trabalhar para eles em meio período - e Kapoor tornou-se um deles em 1988.

A empresa pediu a Kapoor e a alguns estudantes selecionados que se juntassem à empresa como estagiários depois de se formarem, onde eles se revezavam em vários trabalhos temporários.

Para ele, Jobs criou um ambiente muito "centrado no produto e no design" na NeXT. "Tudo começa com a experiência do usuário. Como o usuário vai interagir com isso? Isso fazia toda a diferença do mundo e o foco maníaco nisso era absolutamente incrível", disse Kapoor.

Kapoor deixou sua marca no Vale do Silício como CEO da empresa de software em nuvem Apigee, que foi comprada pelo Google em um acordo de US$ 625 milhões em 2016. Ele também ocupou cargos de liderança em empresas como Google e IBM.

Ele, porém, atribui grande parte de seu sucesso à experiência de trabalhar como estagiário de Jobs nos primeiros dias. "Essa exposição foi absolutamente fenomenal", disse ele. "Posso atribuir grande parte do meu sucesso aos meus primeiros dois ou três anos na NeXT."

Kapoor explicou que, mais do que qualquer outra coisa, ele se concentrava nas perguntas que Jobs fazia nas reuniões gerais, porque isso lhe dava uma visão do seu processo de pensamento para replicar nas empresas em que trabalhou depois.

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialSteve Jobs

Mais de Inteligência Artificial

Desmistificando a IA: como ela está transformando negócios e carreiras

IA vira arma para hackers e empresas se encontram sem profissionais qualificados

Para surfar a onda da IA, Samsung promete aos clientes fábrica de chips 20% mais rápida

Amazon enfrenta desafios para integrar IA generativa na Alexa, revelam ex-funcionários

Mais na Exame