Inteligência Artificial

Depois de conseguir US$ 10 bilhões da Microsoft, Sam Altman vai em busca de mais dinheiro

Ter mais caixa será essencial para chegar ao próximo estágio do seu negócio: a criação de um "super inteligência artificial"

Sam Altman: CEO da OpenAI (Justin Sullivan//Getty Images)

Sam Altman: CEO da OpenAI (Justin Sullivan//Getty Images)

André Lopes
André Lopes

Repórter

Publicado em 13 de novembro de 2023 às 09h52.

OpenAI, a empresa de inteligência artificial (IA) dona do ChatGPT, está em negociações para obter mais investimentos da Microsoft, que até o momento já aportou US$ 10 bilhões na companhia. O CEO Sam Altman, em entrevista ao Financial Times, revelou que a parceria com o CEO da Microsoft, Satya Nadella, está progredindo satisfatoriamente e espera aumentar os investimentos da gigante da tecnologia, entre outros investidores, para sustentar os custos elevados na criação de modelos de IA mais avançados.

Foi graças ao interessa da Microsoft pelo ChatGPT a OpenAI conseguiu uma rápida avaliação na casa dos US$ 29 bilhões de dólares. Na entrevista, Altman expressou otimismo quanto ao contínuo apoio financeiro da Microsoft, enfatizando a necessidade de recursos significativos para alcançar o objetivo de desenvolver inteligência geral artificial (AGI) — softwares que seriam tão inteligentes quanto seres humanos.

Altman mencionou que a OpenAI ainda não é lucrativa devido aos altos custos para manter a IA de forma massiva, apesar de um bom crescimento de receita este ano. A parceria com a Microsoft, segundo ele, garante benefícios mútuos e satisfação para ambas as partes.

Um App Store para a IA

A empresa anunciou recentemente uma série de novas ferramentas e melhorias em seu modelo GPT-4 para desenvolvedores e empresas, durante um evento em 6 de novembro, com a presença de Nadella. Entre as novidades, estão versões personalizadas do ChatGPT e uma loja GPT, similar ao modelo da App Store da Apple, onde planejam dividir receitas com os criadores mais populares de GPT.

Altman destacou que a empresa está empenhada em desenvolver IA capazes de realizar tarefas complexas. Ele também mencionou os planos para o GPT-5, a próxima geração do modelo de IA, embora sem um cronograma definido para seu lançamento.

Enfrentando desafios como a escassez de chips de semicondutores da Nvidia, essenciais para o desenvolvimento de sistemas de IA, a OpenAI se prepara para um cenário onde outras empresas como Google, Microsoft, AMD e Intel ofereçam alternativas competitivas a esses chips.

A OpenAI já conquistou uma posição de destaque na corrida para construir IA generativa, sistemas capazes de criar textos, imagens, códigos e outros conteúdos multimídia em segundos. Altman acredita que os modelos de linguagem de grande escala (LLMs), que fundamentam o ChatGPT, são peças-chave para a construção da AGI, mas haverá outros elementos importantes a serem adicionados.

Altman também aponta que a grande questão no desenvolvimento da AGI é a capacidade dos sistemas em realizar avanços fundamentais de compreensão, algo ainda não alcançado. A visão de longo prazo da empresa, segundo ele, é não apenas criar AGI, mas também garantir sua segurança e benefícios para a humanidade.

Acompanhe tudo sobre:Sam AltmanMicrosoftOpenAI

Mais de Inteligência Artificial

A IA no cotidiano: entre a produtividade e o riso

OpenAI melhora processo de recrutamento por temer espiões chineses

A inteligência artificial consegue contar boas piadas? Pesquisadores fizeram o teste

Cofundador da OpenAI anuncia lançamento de nova empresa de IA

Mais na Exame