Inovação
Acompanhe:

Neuralink: startup de Elon Musk fez macaco jogar videogame com a mente

O próximo passo é fazer dois macacos jogarem pingue-pongue com os pensamentos

Elon também acredita que a inteligência artificial (IA) desenvolvida pela Neuralink será um dia usada por humanos (Win McNamee / Equipe/Getty Images)

Elon também acredita que a inteligência artificial (IA) desenvolvida pela Neuralink será um dia usada por humanos (Win McNamee / Equipe/Getty Images)

L
Laura Pancini

1 de fevereiro de 2021, 16h08

O presidente executivo da Tesla e do SpaceX, Elon Musk, afirmou em um bate-papo no aplicativo ClubHouse no domingo, 31, que sua startup Neuralink já implantou um chip em um macaco e o fez jogar videogames com a mente.

A equipe da startup, com cerca de 100 funcionários, está desenvolvendo uma interface "computador-cérebro" implementável. De acordo com Musk, ela funcionaria como os relógios de pulso inteligentes vendidos atualmente, mas com fios minúsculos que entram no cérebro.

O bilionário também afirma que o objetivo da empresa é "aumentar a taxa em que as informações fluem do cérebro humano para uma máquina", mas, por enquanto, os chips serão desenvolvidos e implantados em pessoas tetraplégicas com lesões cerebrais ou espinhais. A ideia é que eles controlem aparelhos, como o mouse ou um telefone, com a mente.

A Neuralink colocou o chip no crânio de um macaco e usou pequenos fios para conectá-lo ao cérebro do animal. "Não é um macaco infeliz", afirmou Musk durante a conversa. "Você nem consegue ver onde o implante neural foi colocado, exceto que ele tem um leve moicano escuro."

Agora, a empresa está tentando descobrir se consegue fazer dois macacos jogarem pingue-pongue entre eles apenas com os pensamentos. "Isso seria muito legal", adiciona o presidente executivo.

Elon também acredita que a inteligência artificial (IA) desenvolvida pela Neuralink será um dia usada por humanos. No longo prazo, as pessoas poderão enviar mensagens apenas por telepatia e poderão até criar um "estado salvo" após morrerem, como em um jogo, e colocá-lo em um robô ou humano. Ele admite que está beirando a ficção científica com estas afirmações, mas não há dúvidas de que Musk seria a pessoa a levar tais ideias para fora do papel.