A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

EUA desenvolvem painel que envia energia solar do espaço para qualquer lugar da Terra

O painel usa a luz do espaço que não chega até a atmosfera para se energizar, o que torna sua luz mais poderosa do que a do Sol

Um time de cientistas que trabalha para o Departamento de Defesa dos Estados Unidos testou e obteve sucesso em um protótipo de painel solar que pode possivelmente no futuro enviar eletricidade do espaço para qualquer lugar da Terra.

O painel, conhecido como Módulo de Antena de Radiofrequência Fotovoltaica (PRAM), teve seu primeiro lançamento em maio de 2020. Ele, que tem o tamanho de uma caixa de pizza, foi acoplado a um drone não tripulado, também desenvolvido pela agência americana e que faz um loop da Terra a cada 90 minutos.

O PRAM usa a luz do espaço que não chega até a atmosfera para se energizar. Ele coleta energia das ondas azuis, que se difundem ao entrar na atmosfera e dão a característica azulada ao céu, o que o torna mais poderoso do que a própria luz do Sol. "Estamos recebendo uma tonelada de luz solar extra no espaço apenas por causa disso", disse Paul Jaffe, um dos co-desenvolvedores do projeto, à CNN.

Por enquanto, a energia ainda não voltou para a Terra, mas os cientistas afirmam que a tecnologia funciona. Para conseguir enviar eletricidade para qualquer parte do planeta, é necessário desenvolver antenas solares espaciais imensas que converteriam microondas em eletricidade sem combustível.

Além disso, ainda é necessário testar o envio de energia para a Terra. Os painéis teriam que saber a localização exata de envio para não correr o risco de enviarem a região errada. Para isso, os cientistas usariam uma técnica chamada "controle retro-diretivo do feixe", que envia um sinal do destino até os painéis no espaço para garantir precisão.

"A vantagem única dos satélites de energia solar sobre qualquer outra fonte de energia é a transmissibilidade global. Você pode enviar energia para Chicago e uma fração de segundo depois, se precisar, enviar para Londres ou Brasília", disse Jaffe. Isso também quer dizer que regiões propensas a desastre, como a nevasca que deixou milhões sem luz no estado do Texas, poderiam receber energia de forma imediata e sem depender de infraestrutura física.

A expectativa é que, no futuro, o PRAM seja composto de uma dezena de painéis. Atualmente ele só conta com um, capaz de produzir cerca de 10 watts de energia, mas o fator econômico pode ser um desafio para a expansão. Jaffe comenta que construir hardwares para o espaço não é nada barato, mas que os custos vêm diminuindo nos últimos 10 anos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também