Future of Money

Queda para US$ 50 mil ou alta para US$ 100 mil: tendência para o bitcoin está dividida

Preço do bitcoin depende de apenas um fator técnico para despencar ou disparar; entenda as perspectivas para a maior criptomoeda do mundo

 (Reprodução/Reprodução)

(Reprodução/Reprodução)

Mariana Maria Silva
Mariana Maria Silva

Repórter do Future of Money

Publicado em 17 de abril de 2024 às 15h46.

Última atualização em 17 de abril de 2024 às 15h55.

Tudo sobreBitcoin
Saiba mais

Nesta quarta-feira, 17, o bitcoin continua em queda depois que um ataque de drones e mísseis do Irã contra Israel abalou todo o mercado financeiro e os ativos digitais. O movimento de queda pegou de surpresa investidores e especialistas que estão no aguardo pelo halving, um dos principais eventos do bitcoin este ano e que poderia impulsionar o preço da criptomoeda.

No momento, o bitcoin está cotado em US$ 61.786, com queda de 1,6% nas últimas 24 horas, de acordo com dados do CoinMarketCap. A maior criptomoeda do mundo chegou a despencar de US$ 64.486 para US$ 59.768 no período de 24 horas.

  • O JEITO FÁCIL E SEGURO DE INVESTIR EM CRYPTO. Na Mynt você negocia em poucos cliques e com a segurança de uma empresa BTG Pactual. Compre as maiores cryptos do mundo em minutos direto pelo app. Clique aqui para abrir sua conta gratuita.

“Conforme o preço do bitcoin vai caindo, mais players estão abrindo posições compradas no mercado futuro, os famosos ‘longs’. Nesse momento 70% do mercado futuro está em long. Esse valor é considerado extremamente alto e costuma servir como combustível para o preço continuar caindo, pois serve de liquidez para grandes players realizarem vendas. Mesmo em US$ 61 mil agora, o bitcoin poderia tranquilamente cair mais US$ 7 ou US$ 10 mil nos próximos dias”, disse Fernando Pereira, analista da Bitget.

US$ 50 mil ou US$ 100 mil: para onde vai o bitcoin?

Joel Kruger, estrategista de mercado do Grupo LMAX, disse em uma nota de mercado desta quarta-feira, 17, que o preço do bitcoin tem dois caminhos para percorrer, a queda ou alta expressiva. Tudo isso depende apenas de um fator técnico, segundo ele.

“Os dados mais recentes do blockchain mostram que grandes detentores de bitcoin ainda não estão ‘comprando a queda’, o que sugere que ainda podemos ver mais fraqueza ou consolidação antes que o bitcoin esteja pronto para voltar a subir”, disse Kruger.

O nível técnico crucial a ser observado para o bitcoin é de US$ 59 mil, referindo-se a uma zona de suporte significativa onde os preços se recuperaram duas vezes até março, acrescentou.

“Se o bitcoin puder se manter acima desse nível, ele manterá o foco direto no próximo impulso para um novo recorde e em direção a US$ 100 mil. Se, por outro lado, observarmos mais pressão negativa que se traduza em um rompimento abaixo de US$ 59 mil, isso atrasará a perspectiva de alta de curto prazo e abrirá a porta para uma correção mais significativa na área de US$ 45 mil-50 mil”, concluiu o estrategista.

O JEITO FÁCIL E SEGURO DE INVESTIR EM CRYPTO. Na Mynt você negocia em poucos cliques e com a segurança de uma empresa BTG Pactual. Compre as maiores cryptos do mundo em minutos direto pelo app. Clique aqui para abrir sua conta gratuita.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok  

Leia mais

Acompanhe tudo sobre:BitcoinCriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

Bitcoin só voltará a disparar após eleições nos EUA, diz CEO de gestora de R$ 40 bilhões

Criptomoeda ligada ao Telegram estreia no mercado com disparada de 4.650% e alta volatilidade

IA e blockchain: a união do futuro? Apostando no setor, BTG disponibiliza duas novas criptos na Mynt

Morgan Stanley revela investimento de mais de R$ 1 bilhão em ETFs de bitcoin

Mais na Exame