Acompanhe:

Quem acompanha a trajetória do ativo digital desde o início tem se surpreendido com a expansão do ecossistema do bitcoin.

Alguns puristas, mais conhecidos como maximalistas, não se mostram muito contentes com as transformações. Outros entusiastas já veem nelas uma evolução capaz de manter e reforçar a relevância do bitcoin no futuro.

Estamos vivendo uma espécie de primavera cripto. É o prenúncio de um verão que terá como um de seus grandes catalisadores o Halving do bitcoin. A primeira edição do evento completou 11 anos esta semana, sua estreia se deu em 28 de novembro de 2012. Estamos em contagem regressiva para o quarto halving.

  • Cansou de tentar falar com alguém da sua Exchange? Conheça a Mynt, a única no Brasil com atendimento 24 horas e todos os dias, feito por pessoas reais. Abra agora sua conta.

É certo que na próxima bull run o evento quadrienal dividirá as atenções com novos projetos que vêm se multiplicando na rede. E o horizonte desses projetos sendo construídos em cima do bitcoin vai além da tradicional funcionalidade de pagamentos.

Já podemos ver aplicativos de finanças descentralizadas (DeFi), tokens não fungíveis (NFTs) e, assim como acontece na rede Ethereum, um movimento de crescimento das soluções de camada 2 ou Layer-2, categoria que tem a bem-sucedida Lighting Network como pioneira no bitcoin.

Se essa expansão se estabelecer como uma tendência, o ecossistema do bitcoin pode seguir a trilha de redes de camada 1 como a Ethereum. No entanto, existem aspectos que podem fazer a diferença nessa trajetória, principalmente porque o bitcoin não foi concebido desde a sua gênese para abrigar aplicações de propósito geral. Os desenvolvedores terão de “quebrar muita pedra” no aprimoramento da experiência do usuário.

Os esforços para tornar o blockchain do bitcoin escalável e gerar novos casos de uso parecem novos, mas não são. Em 2012, as Colored Coins já trabalhavam com a ideia de ativos não fungíveis, anos antes de o primeiro NFT ser criado na Ethereum. Em 2018, novas movimentações no ecossistema chamavam a atenção, como a primeira implementação mainnet da Lightning Network.

A atual onda foi despertada pela criação dos chamados Artefatos Digitais ou NFTs do bitcoin, a partir do protocolo Ordinals. O protocolo Ordinals permite incorporar (inscrever) dados adicionais aos satoshis como imagens e vídeos diretamente no blockchain do bitcoin.

Esse armazenamento direto no blockchain é um grande “plus” na comparação com o modus operandi dos NFTs em geral. Em grande parte das coleções, o arquivo da imagem da arte é depositado off-chain e o que se tem de fato é um link para o arquivo. Isso pode ser um problema para seus detentores, uma vez que há risco de alteração ou de simplesmente sumir por não estar armazenado no blockchain.

Os Artefatos Digitais viraram uma enorme febre, causando congestionamentos históricos na rede do bitcoin. Se quiser saber mais detalhes sobre o Ordinals, pode ler aqui minha coluna sobre o assunto.

Desde o lançamento do protocolo, no início de 2023, os NFTs do bitcoin alavancaram as negociações na criptoesfera e o número de inscrições de Ordinals na rede ultrapassa 45 milhões no momento em que escrevo esta coluna, de acordo com levantamento da Dune Analytics.

Abaixo, vocês podem ver a evolução das inscrições do lançamento até hoje.

Os tokens BRC-20 também entraram em cena para inflamar o movimento. O novo padrão abriu as portas para a criação de tokens fungíveis no blockchain do bitcoin a partir do protocolo Ordinals. O BRC-20 seria a versão para o bitcoin do popular ERC-20, abreviação para “Ethereum Request Comment 20”, da rede Ethereum. Tokens como PEPE, MEME e ORDI (do protocolo Ordinals) estão na lista dos mais populares.

No universo das Layer-2, soluções de escalabilidade para o bitcoin, a Lightning Network é a grande estrela, mas ainda se destacam projetos como Stacks, Rootstock e Liquid Network.

Recentemente, foi lançado o protocolo Taproot Assets na rede principal da Lightning Network, inaugurando o caminho para a emissão de stablecoins e de outros ativos como os do mundo real, ou RWA (real world assets), no bitcoin.

Plataformas DeFi também estão expandindo os casos de uso do bitcoin. Entre elas estão Stackswap, que foi a primeira exchange descentralizada (DEX) executada no bitcoin usando o protocolo Stacks; Sovryn, construído na Rootstock, que oferece produtos como empréstimos, staking e até uma plataforma de trading para operações spot e de margem; e Lend at Hodl Hodl, construído na Liquid Network, de empréstimo peer-to-peer (P2P) usando o bitcoin como colateral.

Esses são apenas alguns exemplos do que vem acontecendo. O andamento das transformações deixa claro que a atividade de dilatação do ecossistema deve continuar com força. O crescimento da aposta no desenvolvimento de infraestrutura tende a atrair cada vez mais aplicações e alavancar o potencial de adoção das soluções baseadas em bitcoin.

Independentemente de você gostar ou não dos novos rumos, eles estão aí prometendo contínuas e profundas mudanças para a rede.

Cansou de tentar falar com alguém da sua Exchange? Conheça a Mynt, a única no Brasil com atendimento 24 horas e todos os dias, feito por pessoas reais. Abra agora sua conta.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok  

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Homem que diz ser criador do bitcoin afirma que perdeu R$ 250 bilhões na criptomoeda por "raiva"
Future of Money

Homem que diz ser criador do bitcoin afirma que perdeu R$ 250 bilhões na criptomoeda por "raiva"

Há 17 horas

Clube do trilhão: bitcoin entra em grupo seleto de ativos que valem mais de US$ 1 trilhão
Future of Money

Clube do trilhão: bitcoin entra em grupo seleto de ativos que valem mais de US$ 1 trilhão

Há 18 horas

Ataques contra Bitcoin e Ethereum são "economicamente inviáveis", diz estudo
Future of Money

Ataques contra Bitcoin e Ethereum são "economicamente inviáveis", diz estudo

Há 18 horas

‘Desconto’ de 99,4% no bitcoin: brasileiro comete erro e vende cripto por apenas US$ 282
Future of Money

‘Desconto’ de 99,4% no bitcoin: brasileiro comete erro e vende cripto por apenas US$ 282

Há 19 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais