Future of Money

Empréstimos privados baseados em blockchain dobram em relação a 2022 e atingem US$ 582 milhões

Em 2023, empréstimos através das finanças descentralizadas subiram cerca de 128%, apontam dados

 (Reprodução/Reprodução)

(Reprodução/Reprodução)

Cointelegraph
Cointelegraph

Agência de notícias

Publicado em 19 de dezembro de 2023 às 14h00.

Última atualização em 19 de dezembro de 2023 às 14h27.

Os empréstimos baseados em blockchain voltaram a ganhar força em 2023, com o valor do crédito privado tokenizado ativo somando atualmente US$ 582 milhões – um crescimento impressionante de 128% em relação ao ano anterior.

Embora ainda esteja longe do pico de US$ 1,5 bilhão registrado em junho de 2022, de acordo com dados do rastreador de empréstimos de ativos do mundo real RWA.xyz, o ressurgimento pode sinalizar que os tomadores de empréstimos estão procurando alternativas baseadas em blockchain a financiamentos tradicionais, uma vez que as taxas de juros mantiveram uma tendência crescente ao longo deste ano.

  • Para você que adora ler notícias de crypto, a Mynt é o aplicativo ideal para você. Invista e aprenda sobre crypto ao mesmo tempo com conteúdos descomplicados para todos os públicos. Clique aqui para abrir sua conta.

A taxa percentual média atual é de 9,64% para protocolos de crédito baseados em blockchain, enquanto as empresas financeiras dos mercados tradicionais têm oferecido taxas de juros para empréstimos bancários concedidos a pequenas empresas entre 5,75% e 11,91%, de acordo com um relatório divulgado em 1º de dezembro pela NerdWallet.

Os empréstimos que estão sendo contraídos também não são pequenos. A RWA.xyz monitorou US$ 4,5 bilhões em empréstimos baseados em blockchain em 1.804 negócios, o que significa que o valor médio dos empréstimos é de cerca de US$ 2,5 milhões.

Um dos mais notáveis tomadores de empréstimos é a empresa de gestão de ativos Fasanara Capital, sediada no Reino Unido, que tomou um empréstimo de US$ 38,3 milhões da Clearpool com um rendimento percentual anual (APY) abaixo de 7%.

O banco brasileiro Divibank é outra instituição financeira que participa ativamente desse mercado.

O Centrifuge, baseado na Ethereum, detém mais de 43% do mercado atual de empréstimos ativos, com US$ 255 milhões, um aumento de 203% em relação aos US$ 84 milhões registrados no início de 2023.

yt thumbnail

Goldfinch e Maple são o segundo e o terceiro maiores protocolos de crédito baseados em blockchain, com US$ 143 milhões e US$ 103 milhões em empréstimos ativos, respectivamente.

As stablecoins indexadas ao dólar norte-americano USDT, USDC e DAI são três das principais criptomoedas usadas para garantir esses empréstimos.

Os maiores tomadores de empréstimos baseados em blockchain vêm dos setores de consumo (US$ 197,7 milhões) e automotivo (US$ 186,8 milhões), seguidos por fintech, imobiliário, crédito de carbono e negociação de criptomoedas, mostram os dados.

Apesar do crescimento recente, o mercado de empréstimos ativos de US$ 506 milhões representa cerca de 0,3% do tamanho do mercado de crédito privado das finanças tradicionais, que somam US$ 1,6 trilhão.

A obtenção de empréstimos por meio de protocolos baseados em blockchain, no entanto, apresenta riscos. Os solicitantes de empréstimos devem avaliar a solvência dos protocolos, as garantias, os contratos inteligentes e avaliar outros riscos de segurança antes de tomar um empréstimo.

Para você que adora ler notícias de crypto, a Mynt é o aplicativo ideal para você. Invista e aprenda sobre crypto ao mesmo tempo com conteúdos descomplicados para todos os públicos. Clique aqui para abrir sua conta.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok  

Acompanhe tudo sobre:DeFiCriptoativosCriptomoedasFinanças

Mais de Future of Money

Após 10 anos "adormecidos", R$ 300 milhões em bitcoin são movimentados pela 1ª vez

Adoção do Yuan Digital na China enfrenta dificuldades apesar de esforços do governo

Mark Cuban diz que Biden pode perder eleição nos EUA graças à postura da SEC sobre cripto

Runes vê declínio em atividade em menos de 1 mês após estreia no Bitcoin

Mais na Exame