Future of Money

Trump anuncia NFTs colecionáveis de si mesmo

Os cartões serão "incríveis criações artísticas sobre a minha vida e a minha carreira", prometeu o bilionário, pré-candidato à corrida presidencial de 2024

Ex-presidente americano Donald Trump: mandatário iniciou a jornada anti-TikTok dos EUA (James Devaney / Colaborador/Getty Images)

Ex-presidente americano Donald Trump: mandatário iniciou a jornada anti-TikTok dos EUA (James Devaney / Colaborador/Getty Images)

A

AFP

Publicado em 15 de dezembro de 2022 às 16h32.

Donald Trump fez um "grande anúncio" nesta quinta-feira (15), apresentando uma série de cartões digitais com sua imagem, ao preço de US$ 99 cada. 

Em mensagem em sua própria rede, a Truth Social, o ex-presidente dos Estados Unidos anunciou a coleção de NFTs (tokens não fungíveis, em português) de Donald Trump, um modelo bem conhecido dos fãs de beisebol, segundo ele, mas "muito mais emocionante".

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Na quarta-feira (14), o republicano havia publicado esta mensagem enigmática: "A América precisa de um super-herói. Amanhã farei um grande anúncio".

Os cartões serão "incríveis criações artísticas sobre a minha vida e a minha carreira", prometeu o bilionário, pré-candidato à corrida presidencial de 2024.

No "card" exibido por ele, sua figura está em um ringue de boxe, com as mãos na cintura, de macacão vermelho e com um cinto que diz "Trump Champion" (Trump Campeão). Tudo isso com a bandeira americana como pano de fundo.

"Apenas US$ 99 cada! Uma grande ideia de presente de Natal. Corram! Acho que vão acabar muito rápido", disse o ex-presidente.

LEIA TAMBÉM:

 

Acompanhe tudo sobre:CriptomoedasDonald TrumpNFT

Mais de Future of Money

Criptomoeda ligada a Caitlyn Jenner movimenta mais de US$ 100 milhões e gera temor sobre golpe

Criptomoeda meme perde todo o valor e despenca 100% após ataque hacker

Após aprovação de ETFs de ether nos EUA, analista aponta oportunidades no mercado cripto

Trump mira eleitores do mercado cripto, defende autocustódia e quer EUA como "líder" do setor

Mais na Exame