Bitcoin passa Facebook em valor de mercado e Winklevoss não perdoa: 'Faz sentido'

Se fosse uma empresa, bitcoin seria hoje a 7ª maior do mundo; ao passar valor de mercado do FB, Cameron Winklevoss faz provocação no Twitter

A recente alta do bitcoin, cujo preço varia de acordo com a lei da oferta e procura, aumentou também o valor de capitalização de mercado do criptoativo, que é a multiplicação do preço pelo total de unidades do ativo em circulação. As duas coisas andam praticamente lado a lado. Se uma sobe, a outra tende a acompanhar. Assim, além de mais caro, o bitcoin está também com uma capitalização de mercado maior — atualmente, acima de 772 bilhões de dólares, segundo o site "Coin Market Cap".

Se fosse uma empresa, o Bitcoin seria a sétima mais valiosa do mundo, atrás apenas de Apple, Saudi Aramco, Microsoft, Amazon, Alphabet (Google) e Tesla — com exceção desta última, cujo "market cap" é de 832,72 bilhões de dólares, as outras seis empresas têm capitalização de mercado superior a 1 trilhão de dólares (Apple e Saudi Aramco passam de 2 trilhões).

Com a alta dos últimos dias, a capitalização de mercado do bitcoin superou a de gigantes como Facebook (759,04 bilhões de dólares), Tencent (746,67 bilhões) e Alibaba (647,03 bilhões). Maior empresa de pagamentos do mundo, a Visa tem "market cap" de 472,79 bilhões de dólares, e já tinha sido superada pelo bitcoin desde o final de dezembro de 2020. Os dados são do site "Companies Market Cap".

O bitcoin "ultrapassou" o Facebook nesta sexta-feira (8). Cameron Winklevoss, que, antes de criar a exchange de criptoativos Gemini e se tornar um dos primeiros "bilionários do bitcoin", travou batalha jurídica com Mark Zuckerberg por ter, supostamente, sido o verdadeiro criador do Facebook junto com seu irmão Tyler, não deixou a oportunidade passar batido: "O 'market cap' do bitcoin ultrapassou o do Facebook. Faz sentido que uma rede financeira valha mais do que uma rede social", disse, no Twitter.

Atualmente, o bitcoin responde por 70,8% da capitalização de mercado de todos os criptoativos, também segundo o "Coin Market Cap", que rastreia mais de 8 mil criptoativos. O mercado de criptoativos, aliás, ultrapassou a marca de 1 trilhão de dólares em capitalização de mercado pela primeira vez na história nesta semana.

O número, apesar de relevante e de indicar um aumento na adoção e interesse pelo criptoativos, ainda deixa o mercado bastante distante da soma de capitalização de mercado das empresas de capital aberto. Segundo o site "Companies Market Cap", que rastreia 4.381 empresas, o "market cap" total delas ultrapassa 83 trilhões de dólares — mais de 80 vezes o mercado cripto. Este, por sua vez, também é muito mais recente.

A comparação entre a capitalização de mercado do bitcoin e de grandes empresas, não tem nenhum efeito prático, mas é utilizada como referência para medir a adoção e o desenvolvimento do mercado de criptoativos.

No curso "Decifrando as Criptomoedas" da EXAME Academy, Nicholas Sacchi, head de criptoativos da Exame, mergulha no universo de criptoativos, com o objetivo de desmistificar e trazer clareza sobre o funcionamento. O especialista usa como exemplo o jogo Monopoly para mostrar quem são as empresas que estão atentas a essa tecnologia, além de ensinar como comprar criptoativos. Confira.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.