Acompanhe:

Uma pesquisa divulgada nesta semana pela corretora de criptomoedas Coinbase aponta que apenas 15% dos brasileiros interessados em comprar criptoativos nos próximos 12 meses possuem algum tipo de conhecimento sobre stablecoins, um tipo de moeda conhecida por ser pareada a outros ativos, caso do dólar.

A pesquisa realizada pela exchange entrevistou 600 brasileiros e 600 norte-americanos e revela que o cenário não é muito diferente nos Estados Unidos. Entre os entrevistados,a penas 14% alegaram ter algum tipo de conhecimento sobre stablecoins. Além diso, 52% dos brasileiros e 50% dos norte-americanos disseram que não têm nenhum conhecimento sobre o tema.

Já entre os brasileiros que afirmaram que possuem algum interesse em relação às stablecoins - com a pesquisa questionando especificamente sobre a USDC, ligada à Coinbase - 61% disseram que o caso de uso que mais chama a atenção é para economizar e guardar dinheiro, enquanto 40% apontaram o uso para diversificação de portfólio e 36%, para proteção de patrimônio contra inflação e desvalorização do real.

A proteção contra inflação, instantaneidade em transações e privacidade foram citados por 24% dos brasileiros como os benefícios "mais significativos" em relação à exposição a stablecoins, novamente com a pesquisa focando a pergunta em torno da USDC, atualmente a segunda maior stablecoin do mercado.

Stablecoins no Brasil

Os ativos digitais lastreados por ativos reais, que têm valor estável e por isso são chamadas de stablecoins, foram responsáveis por 83,5% dos R$ 47,1 bilhões movimentados em cripto no Brasil no primeiro trimestre de 2023, ou R$ 39,3 bilhões, considerados os meses de janeiro, fevereiro e março, de acordo com a Receita Federal. O bitcoin responde por 9,2% das operações no mesmo período.

Apenas uma das stablecoins responde por quase todo o valor movimentado: a USDT, da Tether, responsável por 96% do total de stablecoins negociadas no Brasil em março — em fevereiro, o ativo criado pela Tether respondia por 93,4% e, em janeiro, 93,6% do total de stablecoins transacionadas no país.

As stablecoins foram criadas como uma maneira de transacionar ativos do mundo real no ambiente digital — como dólar, ouro, euro, reais, prata e muitos outros. Além da USDT e da USDC, outra stablecoin lançada recentemente no mercado é o BTGDol, ligado ao banco BTG Pactual.

A emissão desses ativos digitais é atrelada à inclusão dos ativos "reais" nas reservas do emissor. Por exemplo, no caso da USDT, para cada token emitido em blockchain, a Tether supostamente guarda US$ 1 em suas reservas. Assim, 1 USDT valerá sempre US$ 1. O mesmo princípio vale para quaisquer outras stablecoins — inclusive a PAXG, na qual cada token representa 1 onça de ouro, que deve ser guardada nas reservas do emissor da criptomoeda.

Como são equivalentes digitais de ativos do mundo real, as stablecoins têm pelo menos duas funções principais. A primeira e mais óbvia é a possibilidade de ganhar exposição a ativos do mundo real de maneira rápida, simples e segura, graças às vantagens da tecnologia blockchain.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Mastercard: 64% das empresas no Brasil são alvos de fraudes e ataques frequentemente
Future of Money

Mastercard: 64% das empresas no Brasil são alvos de fraudes e ataques frequentemente

Há 10 horas

Ethereum ultrapassa US$ 3 mil pela 1ª vez em quase 2 anos: o que isso significa?
Future of Money

Ethereum ultrapassa US$ 3 mil pela 1ª vez em quase 2 anos: o que isso significa?

Há 12 horas

Reino Unido anuncia nova lei para criptomoedas, com foco em staking e stablecoins
Future of Money

Reino Unido anuncia nova lei para criptomoedas, com foco em staking e stablecoins

Há 12 horas

Emojis conseguem revelar tendências de alta de criptomoedas, revela estudo
Future of Money

Emojis conseguem revelar tendências de alta de criptomoedas, revela estudo

Há 13 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais