Esporte

Atlético-MG arrecada mais de R$ 10 milhões no Campeonato Mineiro, com alta de 60% em relação a 2023

As inovações tecnológicas da Arena MRV e a rápida identificação da torcida com a nova casa ajudam o clube a impulsionar público e renda no local

Partida do Atlético-MG pelo Campeonato Mineiro (Redes Sociais/Reprodução)

Partida do Atlético-MG pelo Campeonato Mineiro (Redes Sociais/Reprodução)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 5 de abril de 2024 às 12h57.

Última atualização em 5 de abril de 2024 às 13h18.

Apesar do empate amargo diante do Cruzeiro no jogo de ida da final do Campeonato Mineiro, no último sábado, 30, o Atlético segue registrando bons números fora de campo.

Ao fechar a participação em casa nesta edição do torneio estadual, o clube registrou recorde de público e renda, com 42,59 mil torcedores presentes e receita bruta de R$ 3.037.049,32. Além disso, ultrapassou a marca dos R$ 10 milhões em bilheteria na competição. Os R$ 10,9 milhões arrecadados nos seis jogos em casa representam alta de 57,16% em relação aos índices registrados na edição passada do campeonato estadual.

Em média, o Galo levou 34 mil torcedores à Arena MRV em 2024, com arrecadação bruta em torno de R$ 1,8 milhão por partida. Os números são semelhantes à média registrada pelo clube ao longo de todos os 16 jogos já disputados no local, que recebeu sua primeira partida oficial em agosto de 2023. Considerando todas as partidas, o Atlético levou cerca de 35 mil pessoas por jogo, com receitas brutas de quase R$ 2 milhões.

Com a fama de ser o estádio mais moderno da américa latina, a Arena MRV conta com diferentes atrações e tecnologias para atrair o público e facilitar a jornada dos frequentadores do local. Uma das facilidades implementadas é o reconhecimento facial, tendência comum na maioria das novas arenas do país, tanto que será uma das obrigatoriedades para estádios com capacidade superior a 20 mil pessoas, conforme a Lei Geral do Esporte, de junho de 2023, em medida que visa minimizar os índices de violência do futebol brasileiro.

No estádio do Galo, a tecnologia de controle de acessos é feita pela Imply ElevenTickets, empresa líder no fornecimento de tecnologias para clubes de futebol, presente em palcos como a Arena do Grêmio, Beira-Rio, Maracanã, Ligga Arena, Arena das Dunas, Arena Pernambuco, Arena Fonte Nova, Ilha do Retiro, São Januário, Alfredo Jaconi, e outros mais.

“Hoje, os 18 portões da Arena MRV contam com um sistema moderno de tecnologia integrada, que permite um controle de acessos de alta performance. Com isso, buscamos oferecer conforto, agilidade e segurança aos torcedores que frequentam a casa do Galo, estádio que atualmente é o mais tecnológico da América Latina. Diferenciais como estes facilitam a gestão da arena e potencializam a experiência dos torcedores. Naturalmente, um ambiente moderno como este iria estimular uma maior presença de público, o que ainda ajuda o clube a aumentar as fontes de receitas”, afirma Tironi Paz Ortiz, CEO da Imply.

Outros atrativos do estádio são o oferecimento de internet de alta densidade, além de diferenciais como o Super App, um aplicativo para a aquisição dos tíquetes, pedido de bebidas, reserva de vaga de estacionamento, entre outras ações. Para efetuar as compras na Arena, também há a possibilidade de carregar cartões para o consumo em caixas físicos.

Para Cristiano Maschio, CEO da Qesh, empresa especializada em gerenciamento de pagamentos, o desenvolvimento de sistemas inteligentes, como o aplicativo do estádio, é um grande diferencial, que também torna-se benéfico para a equipe. “No final, o lucro não é apenas com o pagamento, acaba-se lucrando com outros produtos, como a partir de informação e inteligência”, avalia o executivo, que também indica como ações como essa podem fidelizar o cliente:

"Os clubes podiam ser os próprios detentores das carteiras digitais. Quando a equipe tem um patrocinador, um banco, por exemplo, este fica um tempo com o clube ou na própria arena e cria uma carteira de clientes muito interessante. Mas quando esse patrocínio termina, ele leva tudo embora. Se os próprios times tivessem as próprias carteiras, eles poderiam ter acordo com alguns bancos, mas caso no futuro a parceria termine, o cliente continua fidelizado à arena", completa Cristiano.

Em meio aos diferenciais da nova casa, o clube, somente durante o Brasileirão 2023, nos dez jogos realizados na Arena MRV, registrou alta de 30% na frequência dos torcedores em relação às partidas anteriores realizadas com mando de campo em outros estádios, durante a competição. Para estimular essa rápida identificação do público com o estádio, o clube também apostou na produção de conteúdos específicos nas redes sociais, destacando as experiências vividas pelos torcedores na nova casa, em ação em conjunto com influencers atleticanos e organizada pela patrocinadora Multimarcas.

“A ideia era que influenciadores do Galo pudessem promover conteúdos criativos, cada um ao seu estilo, para realizar conexões com o torcedor. O intuito foi estimular a autenticidade e uma produção de conteúdo divertida para engajar a grande massa atleticana”, afirma Fernando Lamounier, diretor da Multimarcas Consórcios, empresa parceira do Galo desde 2020 e que organizou a competição.

Acompanhe tudo sobre:Atlético - MGFutebol

Mais de Esporte

A cara do time nem sempre é o principal atleta: ela pode ser o mascote

Jogos de hoje, segunda-feira, 20; onde assistir ao vivo e horários

Rayssa Leal vence etapa da China do Pré-Olímpico de skate street

Manchester United x Brighton: onde assistir, horário e escalações pela Premier League

Mais na Exame