ESG

Apoio:

logo_suvinil_500x252
Logo TIM__313x500
logo_unipar_500x313
logo_espro_500x313
logo_engie_500X252

Parceiro institucional:

logo_pacto-global_100x50

Vibra investe R$ 4 bi na transição energética e amplia espaço em biocombustíveis

Em 2023, a Vibra criou a vice-presidência de energia renovável e ESG, que deve orientar empresa na busca por SAFs e metanol verde

Ernesto Pousada, CEO da Vibra: “A ideia não é só descarbonizar, mas gerar valor para o cliente, as empresas e os investimentos” (Vibra/Divulgação)

Ernesto Pousada, CEO da Vibra: “A ideia não é só descarbonizar, mas gerar valor para o cliente, as empresas e os investimentos” (Vibra/Divulgação)

Letícia Ozório
Letícia Ozório

Repórter de ESG

Publicado em 18 de junho de 2024 às 07h00.

A Vibra, distribuidora de combustíveis, está passando por um investimento de 4 ­bilhões de reais na transição energética. Desde a aquisição de 50% da Comerc, empresa de energia, a companhia busca ampliar seu espaço nos setores de biogás, biometano e etanol.

Essa aceleração nos investimentos motivou a criação da vice-presidência de energia renovável e ESG em 2023. De acordo com o CEO da Vibra, Ernesto Pousada, a novidade é focada na sustentabilidade, vertente que vai consolidar a Vibra do futuro. “Garantir que a agenda da transição energética cresça na empresa é um dos grandes legados que eu quero deixar para a Vibra, ainda mais com os efeitos trágicos das mudanças climáticas, como no Rio Grande do Sul”, explica o CEO. Ele acrescenta que a nova área busca inserir o ESG no centro da estratégia da Vibra. “O ESG está conectado com a estratégia ou ele não existe. E na Vibra não temos dúvida, ele é nossa estratégia”, afirma.

No ano passado, a meta de redução das emissões de gases de efeito estufa nos escopos 1 e 2, relacionados à própria operação, era de 6%. A diminuição atingiu 17%. O desafio agora é neutralizar as emissões até 2050 no escopo 3, tarefa que envolve tornar as energias renováveis comercialmente viáveis, de acordo com Pousada. “A ideia não é só descarbonizar, mas gerar valor para o cliente, as empresas e os investimentos”, explica.

A companhia busca se especializar nos combustíveis sustentáveis para a aviação (SAFs), projeto ainda embrionário no Brasil. Desde abril deste ano, a Vibra é parte do grupo para desenvolvimento de soluções em SAF da ­Bolder, focada em inovação no setor corporativo. O programa ainda reúne a Suzano, de bioprodutos a partir do eucalipto, e a Galp, empresa portuguesa de energia.

A distribuidora ainda conta com um memorando de entendimento para comercialização de metanol verde com a Inpasa, produtora de combustíveis à base de cereais. O objetivo é produzir a solução a partir dos subprodutos do etanol, com foco no uso do transporte marítimo, o que abre um novo leque de negócios para a Vibra.

“Estamos descarbonizando as operações, com avanço no escopo 3, e garantindo uma frente de negócios nova para a Vibra se manter sustentável ao longo do tempo”, explica Pousada sobre a estratégia da companhia. Firmado em janeiro deste ano, o acordo avalia ainda a construção de uma usina para a produção de metanol, mas que continua indefinida.

Na área social, a empresa lançou o programa Exploração Sexual Zero, que busca conscientizar motoristas, frentistas e toda a cadeia do combustível sobre os efeitos da violência sexual contra crianças e adolescentes. A dor remete à área de atuação da companhia: os postos de combustíveis representam mais de 30% dos pontos vulneráveis para a exploração sexual de jovens, quando a relação sexual gera uma troca financeira ou material, ou dos abusos, quando há imposição física ou ameaças.

A partir dessa ação, feita em parceria com as organizações sociais Childhood Brasil e Instituto Liberta, a empresa capacitou 10.000 motoristas, 400 funcionários, 5.000 revendedores e 3.000 funcionários dos Postos Petrobras. Para Pousada, a mobilização da Vibra está apenas no começo e deve ir além das portas da empresa.

Acompanhe tudo sobre:Vibra EnergiaMelhores do ESG

Mais de ESG

A independência e a interoperabilidade do mercado voluntário de carbono

Fontes de metano, arrotos e flatulência de gado e suínos serão taxados

Como melhorar previsões para tomar decisões mais adequadas para o setor de energia

Fábrica de mosquitos: arma contra dengue esbarra em fake news sobre Bill Gates

Mais na Exame