O legado que não poderá faltar ao Brasil

Um legado não se constrói com sete meses de atuação – período em que o ministro Silvio Almeida está à frente de pasta tão vital para enfrentar o preconceito, escreve Celso Athayde

Silvio Almeida está no comando do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania. (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Silvio Almeida está no comando do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania. (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Celso Athayde
Celso Athayde

CEO da Favela Holding

Publicado em 22 de julho de 2023 às 11h30.

Última atualização em 22 de julho de 2023 às 19h54.

Estamos a uma semana da Expo Favela Innovation que, em 2023, acontecerá pela primeira vez no Rio de Janeiro, na Cidade das Artes. Entre 29 e 31 de julho, diversas oportunidades empresariais que colocam os cidadãos das favelas em evidência formam a maior feira de inovação e empreendedorismo de favelas, conectandocom empreendedores do asfalto. Esse é um projeto fruto da parceria entre a Central Única das Favelas e Favela Holding, com a realização da Infavela.

Falar sobre asfalto e favela, favela e asfalto é urgente em nosso país. Principalmente no momento em que o nome de um brasileiro notório se vê diante de especulações sobre a sua permanência no primeiro escalão do governo federal. Falar de favela é também falar de onde vem o povo brasileiro que teve, no período escravocrata, uma série de violações de direitos humanos. E quando esse período acabou oficialmente, as mazelas vividas pelos mais vulnerabilizados foram potencializadas com a ausência do Estado brasileiro.

Falar de asfalto é falar das mesas de negociação, do centro do poder, é falar de Brasília e do abismo social em que ainda vive o povo brasileiro. Neste ano, estamos vivendo um ar de esperança depois de um período nefasto à inteligência do povo que constrói, diariamente, a vida de todos nós.

Por essas razões, eu me uno a uma série de vozes que começam a se levantar em defesa do nome do ministro Silvio Almeida à frente do Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania.

O professor, escritor, advogado e jurista Silvio Almeida é, neste momento, a representação da união entre favela e asfalto na capital brasileira, no centro do Poder Executivo. Silvio Almeida é a voz que escuta, o timbre sereno que educa, a presença humana que não pode ser calada por todos os serviços prestados tanto à academia brasileira quanto ao pensamento de país.

Especulações políticas existem e parecem fazer parte do jogo. Mas a partida liderada por Silvio Almeida não se trata de um jogo momentâneo à disposição de caciques políticos ou de interesses capitalistas estranhos à manutenção da democracia brasileira. Silvio Almeida é o nome de um brasileiro que tem um legado a deixar diante de todas as raízes culturais, sociais, políticas e econômicas que nos formam.

Um legado não se constrói com sete meses de atuação – período em que o ministro está à frente de pasta tão vital para enfrentar o preconceito, as desigualdades sociais e as mazelas difundidas pelo racismo brasileiro. Por isso, junto-me às vozes que defendem a permanência de Sílvio Almeida no cargo para poder receber o legado que será entregue por este ilustre brasileiro. Um legado que está por vir não poder ser interrompido. O ministro Silvio Almeida é o legado que não poderá faltar ao Brasil.

Acompanhe tudo sobre:Direitos Humanos

Mais de ESG

Prates defende Margem Equatorial e projeta hidrocarbonetos na economia por até 50 anos

Trabalhadores enfrentam riscos de saúde provocados pela mudança climática

Brasil não trata meio ambiente com seriedade, diz promotor

Assaí busca fortalecer negócios locais com prêmio para pequenos empreendedores, incluindo informais

Mais na Exame