Gigante indiana contrata primeira mulher para mina subterrânea

As mulheres na Índia estavam proibidas de atuar em minas subterrâneas até 2019, quando a lei foi alterada em uma tentativa de melhorar a participação feminina no mercado de trabalho
 (Dhiraj Singh/Bloomberg/Getty Images)
(Dhiraj Singh/Bloomberg/Getty Images)
B
BloombergPublicado em 31/08/2021 às 10:18.

Por Debjit Chakraborty, da Bloomberg

Demorou quase 50 anos, mas a maior mineradora de carvão do mundo finalmente contratou sua primeira engenheira para trabalhar em uma mina subterrânea.

As mulheres na Índia estavam proibidas de atuar em minas subterrâneas até 2019, quando a lei foi alterada em uma tentativa de melhorar a participação feminina no mercado de trabalho.

Akanksha Kumari, do estado de Jharkhand, ingressou na empresa Coal India como engenheira de minas na mina subterrânea de Churi, segundo informação postada pela subsidiária Central Coalfields no Twitter.

Socialmente conservadora, a Índia tem uma das menores taxas de participação de mulheres no mercado de trabalho no planeta. Sem apoio para trabalhar fora de casa e direcionadas a funções mais tradicionais, as mulheres respondem por menos de um quarto da força de trabalho do país. Na Coal India, elas representam 7,5% dos colaboradores.

  • Fique por dentro das principais tendências das empresas ESG. Assine a EXAME.