ESG

Corona (a cerveja) avança em vendas e na agenda ESG

Nem o fechamento dos bares foi capaz de aplacar a sede dos consumidores, e a cerveja vendeu mais do que a expectativa

Distribuidora da Corona nos Estados Unidos, a Constellation Brands tem apresentado resultados acima das expectativas (Scott Olson/Getty Images)

Distribuidora da Corona nos Estados Unidos, a Constellation Brands tem apresentado resultados acima das expectativas (Scott Olson/Getty Images)

RC

Rodrigo Caetano

Publicado em 30 de junho de 2021 às 06h00.

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

Sem bar, sim. Sem cerveja, nunca. Para a Constellation Brands, distribuidora da marca Corona nos Estados Unidos, essa é a lição da pandemia. Desde o segundo quarto do ano passado, seus resultados superam as estimativas do mercado. Nesta quarta-feira, 30, a empresa divulgará seus números para o primeiro trimestre do ano, novamente sob alta expectativa.

Quer entender como as práticas ambientais, sociais e de governança garantem solidez às companhias? Clique aqui

A marca Corona tem sido uma das grandes responsáveis por isso. As vendas cresceram mais de 10% no final do ano passado, mesmo com o fechamento dos bares e restaurantes. Ávido por um consumo mais sofisticado em casa, os consumidores preferiram marcas mais caras, em detrimento às populares rainhas dos bares.

Também ajudou o lançamento da Corona Hard Seltzer, um novo tipo de bebida que está agradando os mais jovens – não é exatamente uma cerveja, mas refresca e tem pouco álcool. A seltzer da Corona é a segunda que mais cresce no mercado americano.

A Constellation detém o controle da marca apenas nos Estados Unidos. No resto do mundo, é a Ab Inbev que distribui o rótulo – a venda da operação americana foi uma obrigação estabelecida pelo órgão antitruste para aprovar a compra da cervejaria mexicana Modelo, que produz o rótulo, pela Inbev.

Agenda ESG da Corona

A preocupação em agradar o consumidor da nova geração, mais preocupado com questões ambientais, se reflete na agenda ESG da companhia. A Corona anunciou, em junho, a compensação de todo o plástico utilizado em sua operação. Isso significa que ela retirou de circulação a mesma quantidade de plástico que colocou em circulação.

“Olhar para um ano de plástico acumulado em sua casa faz a gente pensar no problema”, afirmou, em entrevista ao site da revista Sustainability, Felipe Ambra, vice-presidente de marketing da Corona. O próximo passo da marca será zerar o descarte de plástico em toda a sua cadeia de produção. Se a sede de cerveja da pandemia continuar, ficará mais fácil.

Fique por dentro das principais tendências das empresas ESG. Assine a EXAME

Acompanhe tudo sobre:AmbevCervejasCoronaExame Hoje

Mais de ESG

Logística reversa de materiais de tecnologia e o foco na TI Verde

Petrobras (PETR4) paga R$ 19,17 bi em dividendos nesta quarta-feira

‘Independência financeira liberta’: Women in Finance discute gestão patrimonial para mulheres

Energia em Foco: conheça nova plataforma de análises qualificadas e objetivas sobre a indústria

Mais na Exame