Relatório do Ministério da Economia estima crescimento do PIB em 1,92% este ano

O Relatório Prisma Fiscal de agosto, produzido pela Secretaria de Política Econômica, revela projeções para o PIB do Brasil, para o INPC, para a taxa de desemprego e população ocupada
PIB do Brasil: Para 2023, as estimativas para o crescimento econômico chegaram a 0,5% (Adriano Machado/Reuters)
PIB do Brasil: Para 2023, as estimativas para o crescimento econômico chegaram a 0,5% (Adriano Machado/Reuters)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 10/08/2022 às 15:53.

Última atualização em 10/08/2022 às 16:01.

O Relatório Prisma Fiscal de agosto, produzido pela Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia, apresentou nesta quarta-feira, 10, pela primeira vez, projeções para o Produto Interno (PIB), para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), para a taxa de desemprego e população ocupada.

A mediana das estimativas para o crescimento econômico em 2022 foi de 1,92%. Para 2023, chegou a 0,5%. Para o INPC do ano, a mediana chegou a 7,6% e para o próximo, 5,4%.

Para a taxa de desemprego, a mediana das expectativas para agosto chegou a 9,1%. Para setembro, a estimativa foi de 9,1% e para outubro, 9,04%. No caso da população ocupada, a mediana das projeções para agosto chegou a 99,135 milhões. Para setembro, a estimativa foi de 99,306 milhões e para outubro, 99,369 milhões.

Como mostrou na terça-feira, 9, Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), o ministro da Economia, Paulo Guedes, estimou que a taxa de desemprego deve terminar o ano em 8%.

Segundo a SPE, os novos indicadores são relevantes para o estudo de eventos fiscais, além de servir de base para pesquisas econômicas com foco macrofiscal.

A secretaria ainda informou que o INPC e as variáveis sobre o mercado de trabalho, por exemplo, ajudam nas estimativas relacionadas a gastos previdenciários, seguro-desemprego e recolhimento de Imposto de Renda.

LEIA TAMBÉM: 

IBGE: crédito mais caro e inflação prejudicaram desempenho do varejo