Economia

Preços ao produtor na China caem com menos força em novembro

O índice de preços ao produtor caiu 1,5% em novembro na comparação com o ano anterior

Os preços ao consumidor caíram na base anual pela primeira vez desde outubro de 2009 (China Daily/Reuters)

Os preços ao consumidor caíram na base anual pela primeira vez desde outubro de 2009 (China Daily/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 9 de dezembro de 2020 às 08h20.

Última atualização em 9 de dezembro de 2020 às 10h29.

Os preços nos portões das fábricas da China recuaram a um ritmo mais lento em novembro, ampliando os sinais de que a segunda maior economia do mundo está se recuperando da pandemia de Covid-19, mas os preços ao consumidor caíram inesperadamente pela primeira vez em mais de uma década.

O índice de preços ao produtor caiu 1,5% em novembro na comparação com o ano anterior, informou a Agência Nacional de Estatísticas. A queda foi menor do que a deflação de 1,8% esperada em pesquisa da Reuters e do que o recuo de 2,1% em outubro.

Os preços ao consumidor caíram na base anual pela primeira vez desde outubro de 2009, mas isso se deveu a uma queda nos preços da carne suína já que a oferta se recuperou da febre suína africana nos últimos anos.

O índice de preços ao consumidor recuou 0,5% em novembro na comparação com o mesmo período do ano anterior, depois de subir 0,5% em outubro. O resultado fucou abaixo até mesmo da projeção mais fraca em pesquisa da Reuters, cujas estimativas variaram de queda de 0,3% a alta de 0,5%.

"Isso foi causado quase que inteiramente por melhoras na oferta de carne suína e não é evidência de fraqueza da demanda", disse Julian Evans-Pritchard, economista sênior de China na Capital Economics.

A China tem apresentado uma recuperação constante da crise do coronavírus, com as exportações e atividade industrial aumentando rapidamente em novembro. Mas existem algumas preocupações sobre uma recuperação irregular já que certos setores enfrentam o aumento do iuan e a demanda global ainda fraca.

A recente série de divulgações positivas, entretanto, provocou alguma especulação de que o banco central pode apertar a política monetária, embora autoridades digam que não têm pressa dadas as incertezas em torno da pandemia.

Acompanhe tudo sobre:China

Mais de Economia

Em 4 anos, rotas de integração vão ligar Brasil à Ásia, prevê Tebet

Anatel poderá retirar do ar sites de e-commerce por venda de celulares irregulares

Carteira assinada avança, e número de trabalhadores por conta própria com CNPJ recua

Em 2023, emprego foi recorde e número de trabalhadores com ensino superior chegou a 23,1%

Mais na Exame