Meta fiscal de 2014 deve sair no fim de janeiro

Também o corte do orçamento - se necessário - será feito no início do ano

Brasília - O secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, disse nesta sexta-feira, 27, que o governo faz análise de política fiscal todos os anos e que deve definir entre o fim de janeiro e o começo de fevereiro a meta de superávit e o corte de orçamento - se necessário - de 2014.

"Vamos avaliar o nível de contingenciamento para o próximo ano. O importante é que o Brasil siga no processo de consolidação fiscal. Nossa relação dívida/PIB vem caindo significativamente e a tendência que a gente possa continuar a ter esse desempenho no ano que vem."

Para Augustin, o País irá construir 2014 com melhorias sólidas de fundamentos. "Temos notícias boas e reitero que estamos numa melhora das condições fiscais. Os fundamentos econômicos do Brasil são bons", acrescentou.

Segundo ele, o ano eleitoral tem uma série de vedações que impedem mudanças nas despesas governamentais. "Não acredito em aumento significativo nas despesas em 2014. As principais contas estão ordenadas", argumentou.

O secretário destacou que o governo sempre tem que estar atento para que despesas seja aquelas que produzam a maior eficiência em termos macroeconômicos e em termos de serviços à população.

"Os investimentos estão crescendo e trabalhamos forte para reduzirmos despesas de custeio. Vamos fazer controle forte de despesas em 2014, como fizemos em 2013", concluiu.

Augustin lembrou que o governo realizou uma alteração na política fiscal em meados de 2013 para realizar um superávit fiscal maior. Ele destacou que a meta do governo central foi aumentada em R$ 10 bilhões - de R$ 63 bilhões para R$ 73 bilhões. "O objetivo da política fiscal é sempre o mesmo, mas a estratégia vai se calibrando ao longo do ano", completou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.