Economia

Lula diz que responsabilidade fiscal é 'compromisso' do governo após série de altas do dólar

Declaração ocorreu poucas horas depois de encontro do presidente com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad

Lula: governo atual enfrenta muitos desafios em diversos setores (Ricardo Stuckert / PR/ Flickr/Divulgação)

Lula: governo atual enfrenta muitos desafios em diversos setores (Ricardo Stuckert / PR/ Flickr/Divulgação)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 3 de julho de 2024 às 15h57.

Última atualização em 3 de julho de 2024 às 16h12.

Tudo sobreGoverno Lula
Saiba mais

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quarta-feira que "responsabilidade fiscal é um compromisso" do governo e que o Executivo "não joga dinheiro fora". O presidente fez as declarações durante o evento de lançamento do Plano Safra para a agricultura familiar e poucas horas depois de ter se reunido, no Palácio da Alvorada, com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

As falas sobre compromisso fiscal ocorrem após Lula ter criticado, nos últimos dias, o que chamou "jogo especulativo" da escalada do dólar. E de ter afirmado que não iria adotar medidas de contenção de gastos, por exemplo, a desvinculação de benefícios sociais do salário mínimo.

"Se vocês [produtores rurais] fizerem acontecer, vamos produzir mais, o povo vai comer mais e teremos uma política econômica sem causar sobressaltos a ninguém, que vai fazer o país crescer e continuar fazendo transferência de renda e ao mesmo tempo continuar com responsabilidade. A gente aplica o dinheiro que é necessário, gasta com educação e saúde o que é necessário, mas a gente não joga dinheiro fora. Responsabilidade fiscal não é palavra, é compromisso desse governo desde 2003 e a gente manterá à risca."

Na equipe econômica, a visão é de que Lula precisava recuar nos ataques ao Banco Central diante da forte valorização do dólar, que já pressiona a inflação e, na visão de analistas do mercado, pode levar o BC a ter de subir os juros para conter a alta de preços.

A expectativa do mercado nesta quarta-feira é em relação a uma nova reunião que Lula terá com Haddad no fim da tarde desta quarta-feira, da qual também participarão o ministro da Casa Civil, Rui Costa, e as ministras do Planejamento, Simone Tebet, e da Gestão e Inovação em Serviços Públicos, Esther Dweck.

Na terça-feira, Lula afirmou que a subida do dólar o preocupa e que a alta constante da moeda faz parte de um jogo "especulativo" e de "interesses" contra o real. Na terça-feira, o dólar fechou a R$ 5,66, após bater R$ 5,70 em dia de altos e baixos. Nesta quarta, opera em baixa e está cotado a R$ 5,56.

Acompanhe tudo sobre:Luiz Inácio Lula da SilvaFernando HaddadMinistério da Fazenda

Mais de Economia

Governo Milei anuncia venda de dólares no câmbio paralelo argentino

Argentina volta a ter alta de inflação em junho; acumulado de 12 meses chega a 271,5%

Com alíquota de 26,5%, Brasil deve ter um dos maiores IVAs do mundo; veja ranking

Haddad declara ser favorável à autonomia financeira do Banco Central

Mais na Exame