Brasil tem deflação em julho e IPCA cai 0,68%, puxado por combustíveis e energia

Foi a menor taxa registrada desde o início da série histórica, em 1980, em meio ao corte de impostos nos combustíveis
Inflação: combustíveis e energia elétrica tiveram queda de preço no mês, enquanto alimentos subiram (Leandro Fonseca/Exame)
Inflação: combustíveis e energia elétrica tiveram queda de preço no mês, enquanto alimentos subiram (Leandro Fonseca/Exame)
C
Carolina Riveira

Publicado em 09/08/2022 às 09:04.

Última atualização em 09/08/2022 às 18:24.

A inflação no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), principal índice inflacionário brasileiro, fechou o mês de julho com queda de 0,68%. O resultado foi divulgado nesta terça-feira, 9, pelo IBGE.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

No acumulado de 12 meses, a inflação ficou em 10,07%. 

Nos sete meses deste ano ano até julho, a alta acumulada é de 4,77%.

O resultado de julho representa uma deflação, quando há variação negativa no índice. É a menor inflação desde o início da série histórica, iniciada em janeiro de 1980, segundo o IBGE.

VEJA TAMBÉM: IPCA, ata do Copom, queda do petróleo, reação ao BTG e Itaú e o que mais move o mercado

Usualmente, uma deflação acontece quando a economia está desacelerada. Mas, no caso do Brasil, a queda foi puxada sobretudo pela desoneração dos combustíveis e energia elétrica, aprovada em junho no Congresso e que levou estados a reduzirem o ICMS sobre esses insumos.

O preço dos combustíveis caiu mais de 14% neste mês (veja os detalhes no fim da página).

Na outra ponta, a inflação na alimentação segue pressionada, liderada pelo leite, que subiu mais de 25% no mês.

(Arte via Flourish/Exame)

"Essa redução [em combustíveis e energia] afetou não só o grupo de transportes (-4,51%), mas também o de habitação (-1,05%), por conta da energia elétrica (-5,78%)", disse em nota o gerente da pesquisa do IBGE, Pedro Kislanov.

"Foram esses dois grupos, os únicos com variação negativa do índice, que puxaram o resultado para baixo."

VEJA TAMBÉM: Gasolina cai 15%, leite sobe 25%: veja as maiores altas e baixas de preço em julho

O INPC, índice que mede a inflação na cesta das famílias mais pobres (até cinco salários mínimos) também caiu 0,60% em julho. O acumulado em 12 meses do INPC é de 10,12%.

Impacto na Selic

O resultado de julho ficou em linha com o consenso do mercado, que esperava redução da inflação acumulada para 10,10%.

A expectativa é que a inflação acumulada saia de dois dígitos já em agosto e chegue a pouco mais de 7% no fim do ano.

A inflação no Brasil superou dois dígitos em setembro do ano passado, uma das piores desde a implementação do Plano Real, e não caiu para baixo desse patamar desde então (veja no gráfico).

(Arte via Flourish/Exame)

A queda no IPCA de julho pode reforçar a expectativa de que o Banco Central já tenha subido os juros de forma suficiente para conter a inflação, sem a necessidade de um novo ajuste na reunião de setembro. 

A tese foi fortalecida pelo boletim Focus desta semana, com a manutenção da projeção da Selic a 13,75% para o fim do ano. O Brasil está sob a maior taxa básica de juros, a Selic, desde 2016.

Porém, parte do mercado também acredita que o BC ainda possa fazer neste ano algum reajuste residual, com mais um aumento em setembro. 

VEJA TAMBÉM: Nova alta de juros? 5 opiniões do mercado sobre a decisão do Copom

Além disso, há pressão esperada para a inflação de 2023, com a volta de impostos cortados temporariamente, câmbio pressionado com a alta de juros nos EUA e Europa e o risco fiscal em meio à PEC Kamikaze, que elevou o valor do Auxílio Brasil para R$ 600 e criou um voucher caminhoneiro.

As projeções de inflação para 2023 vêm subindo, e a mediana de apostas para o IPCA no ano que vem ficou em 5,36% no boletim Focus desta semana.

Gasolina mais barata, leite em alta

Dos nove grupos pesquisados pelo IBGE, dois tiveram queda no mês de julho e os demais subiram.

A maior queda foi no grupo Transportes (-4,51% em junho, após alta de 0,57% em junho). Sozinhos, os combustíveis caíram 14,15%. 

Além do corte de ICMS e tributos federais, a Petrobras reduziu o preço da gasolina duas vezes em julho, em meio à queda no preço do petróleo no mercado internacional.

  • O preço da gasolina caiu 15,48% em junho;
  • O etanol caiu 11,38%;
  • O gás veicular caiu 5,67%;
  • O diesel foi exceção, e subiu 4,59%.

O diesel foi menos impactado pelos cortes de impostos porque os tributos federais já estavam zerados para o diesel anteriormente, e o ICMS já era menor neste combustível do que na gasolina. Além disso, um terço do diesel consumido no Brasil é importado e não refinado pela Petrobras, fatia maior do que na gasolina.

VEJA TAMBÉM: Inflação muda comportamento dos brasileiros e um em cada quatro não paga contas, mostra pesquisa

No IPCA, o grupo Habitação também caiu 1,05% (após alta de 0,41% em junho), devido à queda no preço médio na energia elétrica residencial (-5,78%).

Além da redução na alíquota de ICMS, a Agência Nacional de Energia Elétrica, reguladora do setor, aprovou uma revisão que reduziu as tarifas em 10 distribuidoras no país.

A maior alta, na outra ponta, veio no grupo Alimentação e bebidas, que acelerou de 0,80% em junho para 1,30% no mês de julho. O destaque foi o custo da alimentação no domicílio (alta de 1,47%).

O principal vilão segue sendo o leite, que subiu 25,46% e teve o maior impacto positivo no índice do mês (0,22 p.p.) dentre os itens.

VEJA TAMBÉM: Por que o leite está tão caro? Preço do litro já se aproxima de R$ 10

Na mesma linha, os derivados do leite tiveram altas fortes, como o queijo (5,28%), a manteiga (5,75%) e o leite condensado (6,66%). 

As frutas também subiram, com alta de 4,4%. Já outros legumes e verduras que haviam subido amplamente no começo do ano seguiram em queda, como tomate (-23,68%), batata-inglesa (-16,62%) e cenoura (-15,34%).

(Com Guilherme Guilherme)