Acompanhe:

Câmara aprova em 2º turno PEC que cria benefícios sociais em ano eleitoral

Proposta dobra o valor do vale-gás, cria auxílio para taxistas e para caminhoneiros e amplia o Auxílio Brasil de R$ 400 para R$ 600

Modo escuro

Continua após a publicidade
Câmara dos Deputados (Michel Jesus/Agência Câmara)

Câmara dos Deputados (Michel Jesus/Agência Câmara)

A
Alessandra Azevedo

Publicado em 13 de julho de 2022 às, 19h20.

Última atualização em 13 de julho de 2022 às, 20h34.

A Câmara dos Deputados concluiu a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que cria e amplia benefícios sociais em ano eleitoral. O texto estabelece um estado de emergência no país para que o governo federal possa usar R$ 41,25 bilhões até dezembro para turbinar auxílios à população, montante que ficará fora do teto de gastos.

A PEC dobra o valor do vale-gás, cria um auxílio-gasolina para taxistas, prevê um “voucher” para caminhoneiros e amplia o Auxílio Brasil de R$ 400 para R$ 600, além de zerar a fila do programa. Os benefícios só vão durar até o fim de 2022. Devido ao alto impacto fiscal, a proposta foi apelidada de “PEC Kamikaze”. 

No primeiro turno de votação na Câmara, na terça-feira, 12, o placar foi de 393 votos a favor e 14 votos contra. Nesta quarta-feira, 13, os deputados rejeitaram todos os destaques (sugestões de mudanças no texto-base) apresentados no primeiro turno e aprovaram a matéria em segundo turno, por 469 votos a 17. Eram necessários 308 votos favoráveis para aprovação, nos dois turnos. O texto passará a valer assim que for promulgado.

A intenção do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), era votar o texto em dois turnos na terça-feira, mas ele suspendeu a sessão devido a um problema técnico e retomou nesta quarta. Antes de anunciar o placar do primeiro turno, Lira afirmou que deputados que não estavam presentes não conseguiram votar de forma remota pelo sistema da Casa. A instabilidade foi detectada nos dois servidores. A Polícia Federal investiga o ocorrido.

Nesta quarta-feira, Lira editou um ato da Mesa Diretora para retomar as sessões virtuais e votar a proposta. Dessa forma, os deputados não precisaram registrar presença no plenário. Essa decisão garantiu que mais deputados pudessem participar da votação, o que garantiu uma vitória por margem ampla para o governo, inclusive no destaque que previa a retirada do "estado de emergência" da PEC.

Apesar de se tratar de uma mudança na Constituição, que exige várias etapas para ser aprovada, a PEC dos benefícios passou sem grandes dificuldades no Congresso. A oposição apontou o caráter eleitoreiro da medida e tentou tornar os auxílios permanentes, por meio de destaques que foram rejeitados pelo plenário. Mas, mesmo com as críticas, os deputados de esquerda votaram a favor de ampliar os benefícios para a população. 

O único partido que orientou contra a PEC foi o Novo. A três meses das eleições, governistas atuaram para acelerar a tramitação da proposta e garantir o pagamento dos benefícios o mais rápido possível. O texto não passou nem mesmo por comissões antes de ir ao plenário do Senado.

Na Câmara, a matéria pulou uma etapa de tramitação ao ser apensada à PEC dos Biocombustíveis, que já havia sido aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Dessa forma, só precisou passar pela comissão especial antes de ir para o plenário. O colegiado aprovou o texto na semana passada.

Além disso, o relator da matéria na Câmara, deputado Danilo Forte (União-CE), decidiu manter o texto sem mudanças em relação ao que foi aprovado pelo Senado, para que ele não precisasse voltar para uma nova análise dos senadores, o que aconteceria se os deputados mudassem o conteúdo da proposta.

Pacote de bondades

Criar benefícios sociais em ano eleitoral é proibido por lei. Para contornar essa vedação legal, o texto propõe a decretação de estado de emergência no país, “decorrente da elevação extraordinária do petróleo e os impactos sociais deles recorrentes”. Nesse caso ou no caso de calamidade pública, a legislação prevê exceção à regra.

O benefício do Auxílio Brasil passará dos atuais R$ 400 para R$ 600 por mês até dezembro de 2022. Além disso, a PEC zera a fila do programa, com o cadastro de 1,6 milhão de novas famílias. O custo dessas medidas é estimado em R$ 26 bilhões.

O texto também cria um “voucher” de R$ 1 mil a caminhoneiros autônomos, ao custo de R$ 5,4 bilhões até o fim do ano. As transferências serão feitas assim que for promulgada a PEC. O benefício só vale para caminhoneiros autônomos cadastrados na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) até 31 de maio.

O auxílio-gás será ampliado para o valor de um botijão a cada dois meses. O custo é estimado em R$ 1,05 bilhão. Hoje, é pago 50% do valor do botijão a cada dois meses. O valor passará para 100%, aproximadamente R$ 120.

A atualização do vale-gás beneficiará 5,8 milhões de famílias. Pelas regras atuais, famílias inscritas no Cadastro Único de programas sociais do governo federal, o CadÚnico, com renda familiar mensal de até meio salário mínimo, têm direito ao benefício.

A PEC também prevê a criação de um auxílio-gasolina para taxistas, medida que custará R$ 2 bilhões. O benefício será pago a taxistas que apresentarem documento de permissão para prestação do serviço emitido até 31 de maio de 2022. Os pagamentos serão feitos até o fim deste ano.

Além disso, o texto prevê um incremento de R$ 500 milhões para o programa Alimenta Brasil, voltado à agricultura familiar, e uma compensação aos estados para atender a gratuidade de transporte público gratuito de idosos, prevista em lei. O custo é estimado em R$ 2,5 bilhões.

O  texto também prevê o repasse de até R$ 3,8 bilhões para manter a competitividade do etanol sobre a gasolina, por créditos tributários. Os estados repassarão esse benefício para os produtores.

Segundo o governo, o “pacote de bondades” será pago a partir de receitas extraordinárias, como a prevista com a privatização da Eletrobras (R$ 26 bilhões), e com receita de dividendos de estatais.

Últimas Notícias

Ver mais
Cresce preferência do governo para apoiar Brito à presidência da Câmara após caso Brazão
Brasil

Cresce preferência do governo para apoiar Brito à presidência da Câmara após caso Brazão

Há 4 horas

Câmara dos Deputados vai realizar audiência pública sobre segregação patrimonial em cripto
Future of Money

Câmara dos Deputados vai realizar audiência pública sobre segregação patrimonial em cripto

Há 4 horas

Câmara mantém prisão de Chiquinho Brazão por caso Marielle
Brasil

Câmara mantém prisão de Chiquinho Brazão por caso Marielle

Há 23 horas

CCJ da Câmara dá aval para prisão de Chiquinho Brazão no caso Marielle
Brasil

CCJ da Câmara dá aval para prisão de Chiquinho Brazão no caso Marielle

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais