Inflação dos EUA tem alta recorde e sobe 1% só em maio

Inflação americana em maio ficou acima dos 0,3% registrados em abril. Acumulado anual de 8,6% é o maior desde 1981
EUA: inflação é a maior desde 1981 (Spencer Platt/Getty Images)
EUA: inflação é a maior desde 1981 (Spencer Platt/Getty Images)
C
Carolina Riveira

Publicado em 10/06/2022 às 09:58.

Última atualização em 10/06/2022 às 10:08.

A inflação dos Estados Unidos subiu 1% no mês de maio, segundo os resultados do Índice de Preços ao Consumidor (CPI) divulgados nesta sexta-feira, 10, pelo governo norte-americano.

A alta foi forte sobretudo no setor de serviços diante da retomada da economia pós-auge da covid-19, além de aumentos nos preços da energia e alimentos, com a guerra na Ucrânia e preços altos das commodities no mercado global.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

A inflação de maio foi significativamente maior do que o avanço de 0,3% registrado em abril. Em abril, os preços haviam começado a esboçar alguma desaceleração, mas que não se confirmou em maio à medida em que as pressões inflacionárias continuaram.

O CPI ficou também acima da expectativa do mercado, que apostava em alta de 0,7%.

VEJA TAMBÉM: Petrobras completa três meses sem aumentar gasolina, e defasagem encosta em 20%

Com o resultado, a inflação acumulada em 12 meses nos EUA chega a 8,6%. É o nível mais alto desde 1981, época da chamada "grande inflação" e após choques de petróleo nos anos 1970.

O resultado da inflação divulgado hoje deve colocar urgência sobre a trajetória do Fed, banco central americano, de alta de juros. O Fed promoveu duas altas na taxa de juros neste ano, e novos aumentos são esperados.

VEJA TAMBÉM: Eletrobras finaliza processo de capitalização: ação fica em R$ 42, e privatização está selada

Em março, o Fed aumentou os juros americanos pela primeira vez desde 2018 e saiu da taxa de juros "zerada" que praticava até então. Na ocasião, o comitê de política monetária optou por uma alta de 0,25 ponto, levando os juros para a taxa atual entre 0,25% e 0,5%. Em 4 de maio, veio nova alta de 0,5 ponto, levando a taxa americanapara o intervalo atual, entre 0,75% e 1%.

Ao contrário do que ocorre no Brasil, o mercado de trabalho americano está muito aquecido, com desemprego abaixo de 4%, o que também impacta na inflação.

As altas de preço têm afetado a popularidade do presidente americano, Joe Biden, e do Partido Democrata, às vésperas de eleições legislativas de meio de mandato (as chamadas midterms) marcadas para este ano.