Economia

Governo vai suspender dívida do RS por três anos; alívio será de R$ 11 bi

Municípios afetados pelas chuvas também serão beneficiados

O presidente Lula e o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, em Santa Maria (Ricardo Stuckert / PR/Divulgação)

O presidente Lula e o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, em Santa Maria (Ricardo Stuckert / PR/Divulgação)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 13 de maio de 2024 às 13h46.

Tudo sobreEnchentes no RS
Saiba mais

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai anunciar nesta segunda a suspensão da dívida do Rio Grande do Sul com a União por três anos, a contar de maio.

Neste período, a taxa de juros cobrada sobre as parcelas cairá a zero, de maneira a não fazer a dívida do estado aumentar.

A medida deve dar um alívio de R$ 11 bilhões ao governo do Rio Grande do Sul, que sofre com as chuvas fortes, que já causaram mais de 140 morrtes, devastou cidades e deixou milhares de desalojados.

Por isso, municípios em situação de calamidade e que têm dívida com o governo federal também serão alcançados pelo benefício.

O presidente Lula se reúne nesta tarde com o governador Eduardo Leite para definir os detalhes.

A proposta do governo, que precisará ser aprovada peo Congresso, prevê que o dinheiro economizado deve ser integralmente destinado a um fundo público específico para financiar ações de enfrentamento e mitigação dos danos decorrentes da calamidade pública, bem como suas consequências sociais e econômicas.

O dinheiro poderá ser usado para obras de reconstrução, melhoria ou ampliação da infraestrutura afetada, mitigação de efeitos do fenômeno que causou a calamidade, contratação de mão de obra temporária, financiamento e subvenções para remoção de famílias e empresas de áreas de risco, aquisição de materiais e equipamentos e contratação de serviços necessários ao enfrentamento da tragédia.

A dívida suspensa será atualizada pelo IPCA e reincorporada ao saldo devedor. Hoje, a dívida é corrigida por IPCA + 4%.

Acompanhe tudo sobre:Luiz Inácio Lula da SilvaDívida públicaRio Grande do SulEnchentes no RSChuvasEduardo LeiteIPCA

Mais de Economia

Câmara aprova taxação de compras em sites como Shein e AliExpress; texto segue para sanção

Exclusivo: o que pode mudar na PEC que amplia autonomia do BC e pode economizar R$ 5 bi

Pacheco devolve parte da MP sobre créditos do PIS/Cofins

Banco Mundial projeta crescimento global de 2,6% e de 2,2% para o Brasil em 2024

Mais na Exame