Economia

Governo registra déficit de R$ 50 bilhões em agosto

De janeiro a agosto deste ano, receitas superaram as despesas em R$ 22,2 bilhões

Segundo o Ministério da Economia, o crescimento das despesas acima das receitas se deveu ao pagamento de precatórios e ao aumento dos gastos com o Auxílio Brasil (RafaPress/Getty Images)

Segundo o Ministério da Economia, o crescimento das despesas acima das receitas se deveu ao pagamento de precatórios e ao aumento dos gastos com o Auxílio Brasil (RafaPress/Getty Images)

AO

Agência O Globo

Publicado em 29 de setembro de 2022 às 16h27.

Última atualização em 29 de setembro de 2022 às 16h46.

As contas do governo federal registraram, em agosto, um déficit primário (descontado o pagamento de juros) de R$ 50 bilhões. Os três componentes da conta apresentaram resultados negativos: o Tesouro e o Banco Central com R$ 22 bilhões e a Previdência, com R$ 28 bilhões.

Segundo o Ministério da Economia, o crescimento das despesas acima das receitas se deveu, entre outros fatores, ao pagamento de precatórios, ao aumento dos gastos com o Auxílio Brasil e ao acordo entre União e Município de São Paulo pela posse do Campo de Marte, no valor de R$ 23,9 bilhões.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

No acumulado do ano, há um saldo positivo de R$ 22,2 bilhões, ante um déficit de R$ 82,1 bilhões no mesmo período de 2021. A maior arrecadação se deveu, principalmente, pelo aumento real de 9,5% das receitas tributárias, que atingiu R$ 81,5 bilhões, concentradas no imposto de renda e na Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

Na semana passada, o governo anunciou sua previsão oficial de que haverá um superávit nas contas públicas em 2022, mesmo com todos os gastos extras feitos ao longo do segundo semestre, como o Auxílio Brasil de R$ 600. A estimativa é de uma folga de R$ 13,5 bilhões. Será a primeira vez que as contas fecham no azul desde 2013.

LEIA TAMBÉM:

Brasil gera 278,6 mil empregos formais em agosto, diz Caged

Banco Interamericano de Desenvolvimento abre processo para definição de novo presidente

Acompanhe tudo sobre:Banco CentralGovernoPrevidência SocialTesouro Nacional

Mais de Economia

‘Problema dos gastos no Brasil não é ter os pobres no Orçamento’, diz Simone Tebet

Plano Real, 30 anos: Gustavo Loyola e as reformas necessárias para o Brasil crescer

Governo sobe previsão de déficit de 2024 para R$ 28,8 bi, com gastos de INSS e BPC acima do previsto

Mais na Exame