Governo argentino culpa Shell por ataques contra o peso

O dólar chegou a ser cotado na quinta-feira a 8,40 pesos, mas a injeção de US$ 100 milhões do Banco Central argentino reduziu a alta

Buenos Aires - O ministro da Economia argentino, Axel Kicillof, disse nesta sexta-feira que a proibição parcial das restrições à compra de dólares tem o objetivo de "dar certeza", após uma brusca desvalorização do peso que o funcionário atribuiu a ataques especulativos da empresa petrolífera Shell.

Kicillof destacou que na desvalorização do peso dos dois últimos dias, nos quais a moeda perdeu mais de 11% de seu valor em relação ao dólar, "se viu que há interesses muito fortes atentando contra o projeto econômico".

"Ontem, surpreendentemente, (o dólar) estava a 7,20 e houve um pedido de compra de dólares por 8,40, e depois se determinou que quem tinha pedido ia pagar 8,70, que todos sabemos que foi a Shell", disse o ministro, em acusação direta à empresa petrolífera holandesa.

"Queriam um dólar a 13 pesos, e dessa forma ontem mesmo tivemos esse ataque especulativo muito forte", acrescentou.

"Não estamos falando de pequenos investidores mas estamos falando do setor que também disse que os depósitos eram intangíveis e ficou com o dinheiro do povo, gerando cotações paralelas formidáveis", atacou o ministro.

O dólar chegou a ser cotado na quinta-feira a 8,40 pesos, mas a injeção de US$ 100 milhões do Banco Central argentino reduziu a alta e a moeda americana fechou a 7,95 pesos, 8,54% menos que no dia anterior, quando já tinha caído 3,47%. 

Atualizado às 20h14.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.