Economia melhora expectativa para PIB de 2020 para queda de 4,5%

Quanto à inflação oficial, o MInistério da Economia passou a ver avanço de 3,13% no acumulado de 2020 ante os 1,8% previstos em julho

O Ministério da Economia divulgou nesta terça-feira (11) novas projeções para indicadores econômicos de 2020.

Em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) do ano, a nova previsão é de uma queda de uma queda de 4,5% ante o reuo de 4,7% projetados anteriormente.

O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor

O número fica um pouco abaixo do previsto pelo mercado, no Boletim Focus do Banco Central, que vê queda de 4,66% para o PIB de 2020.

Uma das razões para a melhora é o desempenho da economia no terceiro trimestre, melhor do que o esperado.

Para o terceiro trimestre, o governo espera uma alta de 8,3% no PIB em relação ao trimestre anterior. Na comparação com o mesmo período do ano passado, a expectativa é de queda de 3,9%. Para 2021, a expectativa foi mantida em alta de 3,2%.

"A indústria e os serviços, segundo os PMIs, continuam recuperando no mês de outubro, com forte destaque para a recuperação da manufatura brasileira. Dessa forma, olhando para o indicador composto, a atividade econômica cresce e indica retomada do crescimento em 'V'", diz o Ministério da Economia no relatório que traz a grade de parâmetros da Secretaria de Política Econômica (SPE). Os novos números servirão de base para o próximo relatório de receitas e despesas da pasta.

O Ministério da Economia resslata ainda a importância da distribuição do auxílio emergencial durante a crise do coronavírus nessa melhora.

Apesar da melhora, o documento ressalta que as incertezas ainda existem, principalmente com a elevação dos novos casos de covid-19 no Hemisfério Norte.

Quanto à inflação oficial, medida pelo IPCA, a secretaria passou a ver avanço de 3,13% no acumulado de 2020 ante os 1,8% previstos em julho. O principal motivo para a elevação foram os preços dos alimentos.

A pasta resslata que a evolução do IPCA ao longo do ano mostra que a inflação acumulada em 12 meses do grupo Alimentação no Domicílio, após atingir um
valor mínimo de 5,06% em março, acelerou até alcançar 18,41% em outubro (último dado disponível).

"Por outro lado, o comportamento das demais categorias de produtos continua contribuindo de forma a manter a variação do índice geral dentro do intervalo de tolerância", diz no documento.

A meta para a inflação do ano é de 4%, com tolerância de 1,5 ponto porcentual para cima ou para baixo. Para o ano que vem, o centro da meta cai para 3,5%.

R$ 110 bi serão injetados na economia

Em videoconferência transmitida após a divulgação dos resultados, o Secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, falou sobre a importância de o governo perseguir uma consolidação fiscal, dizendo que o excesso de gastos prejudicaria muito a evolução do PIB.

O secretário disse ainda que espera a entrada de cerca de R$ 110 bilhões de reais na economia até janeiro entre a injeção das parcelas que ainda faltam do auxílio emergencial — cerca de R$ 45 bilhoes — e recursos do Fundo de Garantia (FGTS) que devem ser sacados pela população. "É valor suficiente para garantir a tração. Em meados de dezembro, vamos retomar os patamares de movimentação pré-covid", disse.

Sachsida ressaltou que, o país terá a frente 18 meses de reformas, que ainda tramitam no Congresso, sendo aprovadas, entre eleas independência do Banco Central e o marco regulatório sobre cabotagem. "Vão ser grandes meses de reformas, passo a passo vamos avançar em todas as agendas fiscais", diz.

Questionado sobre o nível de empregos no mercado de trabalho, preocupação crescente entre analistas de mercado, o secretário disse que o emprego vai crescer em 2021: "O grosso do desemprego vem do trabalho informal. À medida que o setor de serviços retomem, naturalmente, voltará a contratar. Da mesma forma, À medida que o distanciamento social diminui, volta contratação de informais também", diz.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.